Rodrygo faz trabalho especial para suportar 90 minutos em campo

Samir Carvalho

Do UOL, em Santos (SP)

  • false

    Desde que virou titular, Rodrygo nunca disputou uma partida inteira pelo Santos

    Desde que virou titular, Rodrygo nunca disputou uma partida inteira pelo Santos

O atacante Rodrygo, considerado a principal revelação do Santos depois das gerações Robinho, Neymar e Gabigol, é um dos destaques do time na temporada. Entretanto, o novo Menino da Vila sempre pressionou indiretamente o técnico Jair Ventura. Antes de ser titular, a torcida pedia a sua presença entre os 11 titulares. Agora que assumiu o lugar, os torcedores reclamam ao ver o jogador ser substituído pelo treinador.

A cena sempre se repete em jogos do Santos em 2018. Desde que ganhou a posição no clássico contra o Corinthians, pelo Campeonato Paulista, em março, Rodrygo nunca disputou uma partida inteira. A substituição se repetiu na última partida santista, diante do Estudiantes, pela Libertadores, na Vila Belmiro, e causou irritação na torcida mais uma vez.

Jair Ventura acredita que Rodrygo não suporta jogar os 90 minutos e, por conta disso, sugeriu uma espécie de trabalho especial para ver a revelação santista mais forte e veloz durante toda a partida.

O trabalho é comandado pelos profissionais da preparação física do Santos. Eles utilizam suplementos e muitos treinos físicos na academia do clube. A estratégia também conta com o apoio dos nutricionistas do clube, pois a alimentação do jogador teve de mudar após ele emplacar na equipe principal.

"Tenho me dedicado bastante. Fiz trabalhos na academia, tomo suplementos e me hidrato muito bem. Isso é um processo, aos poucos vou amadurecendo. É isso que vai me ajudar a terminar uma partida, jogar os 90 minutos", afirmou Rodrygo.

O problema é que o trabalho é realizado em processo lento pois o jogador tem atuado em todos os jogos. Segundo os profissionais do clube, o descanso é importantíssimo neste caso.

Sem aguentar 90 minutos, Rodrygo é o principal candidato a deixar o time para o retorno de Bruno Henrique, recuperado de cinco lesões na retina do olho direito. A briga pela posição foi adiada pois o camisa 11 sofreu um edema muscular na coxa esquerda e só volta aos gramados daqui a três semanas.

Conselheiros e torcedores esperam a saída de Jean Mota do time e a utilização do quarteto ofensivo formado por Rodrygo, Eduardo Sasha, Bruno Henrique e Gabigol. Como nenhum deles sabe atuar centralizado na armação das jogadas, Jair Ventura, inicialmente, deve sacar um deles.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos