Topo

Futebol


Contratos longos deixam situação dos afastados indefinida no Vasco

Divulgação/Instagram
Jogadores do Vasco causaram polêmica com postagens nas redes sociais Imagem: Divulgação/Instagram

Bruno Braz

Do UOL, no Rio de Janeiro

24/05/2018 04h00

Decidido a colocar Paulão, Wellington, Evander e Gabriel Félix treinando à parte, o Vasco agora terá de saber lidar com a situação contratual dos jogadores. O quarteto tem vínculo longo com o clube e, a princípio, a diretoria ainda não definiu se irá tentar negociá-los ou não. Uma nova reunião entre o presidente Alexandre Campello e o departamento de futebol avaliará o quadro dos jogadores.

O goleiro Gabriel Félix tem contrato até 16 de fevereiro de 2021. Evander e Wellington, até o fim de 2020. Já Paulão até dezembro de 2019. 

Pai e empresário de Evander, o agente Evandro Ferreira deixou claro ao UOL Esporte que não ficou nem um pouco satisfeito com a atitude tomada pela diretoria, considerando que ela fez um “caça às bruxas”. Ele, que também é dono do centro de treinamento que o Vasco fechou contrato de aluguel até 2020, ainda não definiu qual atitude tomará.

Evander sempre foi visto como uma promessa das divisões de base do Vasco e é monitorado por clubes europeus desde muito jovem. No profissional, porém, nunca conseguiu manter regularidade e caiu em descrédito com a torcida. No mês passado, por pouco não foi envolvido em uma troca por Diego Souza, do São Paulo, mas a negociação não foi para frente.

O volante Wellington possui um detalhe que pode causar constrangimentos internos. Ele é agenciado por Carlos Leite, parceiro comercial do Vasco e responsável por já ter emprestado mais de R$ 20 milhões ao clube. O jogador passou a ser do Cruzmaltino no fim do ano passado, quando encerrou seu empréstimo do São Paulo.

O zagueiro Paulão, que havia sido emprestado pelo Internacional ao Vasco ano passado, já conviveu com a insatisfação de torcedores no início do ano, quando retornou ao Beira-Rio e sofreu forte rejeição dos colorados. A insustentável situação o fez rescindir amigavelmente e voltar a São Januário para assinar um contrato por dois anos.

Gabriel Félix, outro jovem revelado na base, já havia perdido espaço com a contratação do goleiro Fernando Miguel, ex-Vitória. Após a polêmica, o arqueiro – que sofre críticas da torcida por sua forma física - foi para o fim da fila com o afastamento e agora vê a ascensão de João Pedro, outro prata-da-casa e que é de uma geração abaixo da sua.

O Vasco treinará na manhã desta quinta-feira no CT das Vargens já sem o quarteto, que seguirá uma programação à parte em outro horário.

Entenda a polêmica dos afastados

Divulgação / Instagram
Imagem: Divulgação / Instagram

Conhecidos por estarem sendo vaiados em algumas partidas da equipe este ano, Wellington, Paulão, Evander e Gabriel Félix posaram para uma foto ao lado dos também perseguidos Rafael Galhardo, Fabrício e Erazo no estádio Nacional (CHI) e a postaram com a legenda “uuuu”, numa alusão às vaias. Os mesmos deram risadas nos comentários.

As publicações causaram forte revolta nos torcedores, que as interpretaram como "ironia" e "deboche". Diante da repercussão, elas foram apagadas. Em seguida, Evander, Paulão e Gabriel Félix postaram textos idênticos pedindo desculpas e alegando que o momento do clube não é o ideal para brincadeiras.

Alexandre Campello interpretou que o ato foi ofensivo ao Vasco e à torcida.

”Acho que essa é uma postagem que ofende a história e o nome do Vasco e a sua torcida. Os próprios jogadores entenderam que a postagem foi inadequada. Se arrependeram, já pediram desculpas. Eles foram punidos na medida exata daquilo que eles cometeram. Foram afastados”, disse ao Sportv.

Mais Futebol