Mano negou Bruno Henrique antes de sim a T. Neves no Cruzeiro: "É decisivo"

Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

  • Douglas Magno/AFP Photo

    Thiago Neves (à esquerda) celebra gol do Cruzeiro na Libertadores

    Thiago Neves (à esquerda) celebra gol do Cruzeiro na Libertadores

Bermuda, chinelo e óculos escuros. Com esses trajes, Mano recebeu a notícia de que poderia contar com Thiago Neves no Cruzeiro. Durante as férias de 2016, o técnico curtia o descanso ao lado da esposa Maria Inês ao receber a ligação de Bruno Vicintin, então vice de futebol do Cruzeiro, para falar sobre o atleta.

A chamada telefônica que tratou a aprovação do craque por parte da comissão técnica não foi a primeira, bem longe disso. Antes de citar o nome do atual camisa 30 da Raposa, ao menos outros cinco jogadores estiveram em pauta. Entre eles, um agrada ao comandante - Bruno Henrique, hoje no Santos. À época, contudo, o gaúcho recusou a contratação do atacante que estava no futebol europeu.

Mano alegou à diretoria que o atleta com passagens por Uberlândia, Itumbiara, Goiás e Wolfsburg-ALE não se encaixaria na forma de jogar da equipe à época.

Depois de algumas recusas, o técnico escutou o nome que o agradaria. Jogando pelo Al-Jazira, dos Emirados Árabes Unidos, Thiago Neves era o reforço perfeito para a equipe. A forma de jogar do armador era exatamente o que ele pensava para o Cruzeiro.

O "sim" à diretoria foi imediato. Sem titubear, ele aprovou a contratação do meia-atacante logo no primeiro telefonema.

"Eu me lembro que, na temporada passada, estávamos montando o grupo para iniciar e, quando o treinador sai de férias, você trata a maioria das coisas por telefone. Eles me perguntaram 15 opções de contratação e eu já tinha dito 15 nãos. Quando veio a 16ª, era o Thiago Neves. E eu respondi imediatamente no telefone que esse sim", disse aos risos em entrevista ao UOL Esporte.

"Acharam muito engraçado, mas é porque esse sim. Esse é testado, decisivo, um monte de coisa que realmente significa acréscimo. Ele fez uma ótima temporada no ano passado, está fazendo de novo. E esse é o tipo de jogador, juntamente com outros, que faz a diferença na hora que a gente precisa", acrescentou.

"Mano percebeu que a escolha surtiu efeito no decorrer da primeira temporada. Em 57 partidas, marcou 17 gols, deu 14 assistências e cobrou o pênalti decisivo na final da Copa do Brasil, contra o Flamengo. Em 2018, ele segue como um dos artilheiros da equipe, com nove bolas na rede e dois passes para os companheiros.

Os números e a capacidade decisiva fazem que Mano o veja como o termômetro. "Concordo [que o Thiago Neves é o termômetro do time]. O Thiago é importantíssimo no nosso trabalho", concluiu.

Neste domingo (26), às 16h (de Brasília), Thiago Neves volta a campo contra o Santos, pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro. Ele será titular do time no jogo que ocorre no Pacaembu.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos