Aproveitamento despenca sem Borja, e Palmeiras patina com alternativas

Leandro Miranda

Do UOL, em São Paulo

  • Cesar Greco/Ag Palmeiras/Divulgação

    Willian deve ser novamente o substituto de Borja na função de centroavante

    Willian deve ser novamente o substituto de Borja na função de centroavante

De contratação de R$ 30 milhões que não correspondeu na primeira temporada, Miguel Borja passou a ser talvez o principal jogador do Palmeiras em 2018. Com o colombiano ausente por estar com sua seleção se preparando para a Copa do Mundo, o time do técnico Roger Machado ainda patina para encontrar uma alternativa eficiente para seu camisa 9. Sem ele, o aproveitamento da equipe no ano despenca.

Com Borja em campo, o Palmeiras fez 23 jogos, com 17 vitórias, três empates e três derrotas – um total de 78,3% dos pontos conquistados. Já sem o artilheiro, autor de 15 gols até aqui na temporada, o aproveitamento cai bruscamente para 50%: são dez jogos, com quatro vitórias e os mesmos três empates e três derrotas.

Nos jogos em que não teve Borja à disposição no ano, Roger já tentou várias opções. A principal é a escalação de Willian como centroavante, o que deve se repetir no duelo contra o Cruzeiro nesta quarta-feira. O jogador não tem ido mal na posição e faz uma boa temporada, mas prefere atuar como atacante pelo lado.

Além disso, sua presença como "9" muda completamente a característica de todo o sistema ofensivo do Palmeiras, acostumado a ter em Borja uma referência que busca constantemente se desmarcar para receber em profundidade. A alternativa de um jogo mais direto, com bolas esticadas para o centroavante brigar pelo alto, também se perde com Willian em campo.

O mesmo aconteceu nas vezes em que Roger usou como homem mais adiantado do ataque o meia Guerra, como na derrota por 3 a 2 para o Sport na última rodada. Com o venezuelano de molho por até três meses devido a uma lesão no pé, a principal alternativa a Willian é Deyverson, que, apesar de ter características mais parecidas com as de Borja, tem feito exibições tecnicamente ruins e ouvido muitas vaias no Allianz Parque. A principal preocupação do treinador, no momento, é recuperar a confiança do atleta e fazer com que aos poucos ele volte a ter clima com o torcedor.

Por fim, correm por fora os garotos Papagaio e Fernando, que recentemente voltaram a integrar o elenco profissional do Palmeiras. O primeiro é um centroavante mais nos moldes de Borja, enquanto o segundo é um atacante mais leve, mas que também pode ser escalado pelo centro.

Borja só volta após a Copa do Mundo, e a equipe alviverde tem até lá mais seis jogos de Campeonato Brasileiro sem seu principal goleador. Após o tropeço em casa contra o Sport, o time tentará se recuperar diante do Cruzeiro para manter vivo o objetivo de embalar e chegar até a pausa para o Mundial da Rússia entre os primeiros colocados. O Palmeiras é hoje o sétimo colocado, três pontos atrás do líder Flamengo.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos