Inter vê pressão do mercado e quer 'fazer caixa' com atletas fora do clube

Marinho Saldanha

Do UOL, em Porto Alegre

  • Érico Leonan/saopaulofc.net

    Valdivia, do São Paulo, é emprestado pelo Inter, que torce para venda nesta janela

    Valdivia, do São Paulo, é emprestado pelo Inter, que torce para venda nesta janela

O Internacional prevê pressão do mercado de transferências. Com investimento, clubes árabes voltam a tentar levar valores de equipes brasileiras. Enquanto se prepara para suportar algumas investidas, o clube gaúcho torce para que se concluam saídas de jogadores que estão emprestados ou que há percentual de formação pertencente ao Inter.

Em primeiro plano estão os três que defenderão a seleção brasileira na Copa do Mundo. São 5% de uma eventual venda de Alisson, atualmente na Roma, 1,7% de qualquer transação sobre Fred, que deve deixar o Shakhtar Donetsk e ir para o Manchester United, e mais 5% sobre Taison, também do clube ucraniano.

Pode parecer pouco, mas as cifras altas de negócios entre clubes europeus e a conversão entre euro e real dá boas perspectivas ao Colorado. Vale lembrar que em 2017, mesmo sem grandes transferências, R$ 3,2 milhões foram somados aos cofres gaúchos com atletas que já haviam deixado o clube há bastante tempo.

Mas não é apenas este o molde de negócios com atletas que já deixaram o Inter que interessa. A proposta do futebol árabe por Anselmo foi recebida com muita alegria em Porto Alegre. O jogador tinha contrato no fim, estava emprestado e possivelmente não renderia um centavo sequer ao clube. Pode, de cara, render R$ 10,9 milhões. Depende dele aceitar a oferta e se transferir.

"Eu gostaria que saíssem os jogadores que não estão aqui. Temos o Anselmo, outros emprestados, fizemos um grande negócio na troca do Sasha pelo Zeca. Não teríamos condições de contratar o Zeca não fosse isso", disse o vice de futebol Roberto Melo.

Jogadores como Paulão, Andrigo, Ernando, Valdívia, todos estão emprestados 'na vitrine' para serem negociados.

Inter se prepara para pressão

Enquanto isso, o Colorado se prepara para pressão de interessados. A volta do mercado árabe e as possíveis negociações motivadas pela necessidade financeira fazem a direção criar cenários e antecipar possíveis reposições.

"O mercado já está se movimentando, principalmente com o mercado árabe. Surgiu dinheiro vindo de lá, os clubes vão perder jogadores importantes nos próximos dias. Dos nossos, não houve qualquer proposta ou sondagem por ninguém. Absolutamente nada. Mas muita coisa possivelmente acontecerá durante a Copa do Mundo, e até após a Copa", afirmou Melo. "Temos que planejar, imaginais quais jogadores o mercado possa ter interesse. Às vezes nos surpreendemos com propostas por jogadores que não imaginamos. Mas já trabalhamos sempre em cima de reposições, temos opções para cada possibilidade. Nos antecipamos ao mercado", finalizou.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos