Refeito, Atlético-PR trocou Diniz por aposta caseira e mudou elenco na Copa

Napoleão de Almeida

Colaboração para o UOL

  • Cleber Yamaguchi/AGIF

    Nunes fica, Ederson sai: Atlético se remodelou na Copa com aposta caseira

    Nunes fica, Ederson sai: Atlético se remodelou na Copa com aposta caseira

O Atlético Paranaense que se apresentará após a Copa do Mundo da Rússia estará bem mudado em relação ao que terminou o primeiro semestre em ação. O Furacão será o primeiro dos times da elite a entrar em campo após a Copa, ao lado do Cruzeiro, em jogo válido pela Copa do Brasil, já na segunda (16), às 20h, no Mineirão. A principal mudança estará no banco de reservas: sai Fernando Diniz e entra Tiago Nunes, aposta caseira do clube.

Nunes foi campeão paranaense com um time alternativo e é tratado como um projeto do Atlético para ficar no cargo por anos, mas teve de abreviar seu período de maturação com o fracasso do time de Diniz. Como a Copa do Mundo mostrou, a posse de bola deu lugar à objetividade no cenário do futebol mundial, na contramão do que o Furacão tinha como tendência.

Com números desastrosos, Diniz deixou o Atlético na penúltima posição do Brasileiro. Após sondar o mercado, a diretoria resolveu apostar em Nunes para a retomada após o recesso. Após o duelo pela Copa do Brasil, até o domingo (22), o time irá encarar o Inter e o mesmo Cruzeiro pelo Brasileirão.

Elenco mudou durante a parada

Não foi só Diniz que deixou o Atlético durante o Mundial. Um dos principais titulares da equipe, o volante chileno Esteban Pavez voltou para o Colo-Colo. A diretoria não exerceu a cláusula de compra definitiva e liberou o atleta, que manifestou desejo de voltar para Santiago. O atacante Ribamar foi para o Egito, e outro atacante, Ederson, que foi artilheiro do Estadual com Nunes e não vinha jogando com Diniz, não renovou e segue sem clube.

O novo treinador do Atlético ganhou o atacante Marcelo Cirino, que volta ao Furacão, e ainda espera pelas regularizações de Bruno Nazário e Rony, que também chegam para um dos setores mais criticados do elenco. Ele também promoveu o lateral-direito Diego Ferreira, que atuou no Estadual como titular. Além destes, o volante Wellington, que está no Vasco, é mais um reforço.

Diferente de Diniz, mas ainda com a orientação geral de que o Atlético deve ser "protagonista", criando ações e dominando jogos, Nunes mudou o esquema tático nos treinamentos. O jogo-treino com o Paraná Clube aconteceu a portas fechadas, mas as informações apontaram uma equipe que saiu do 3-4-3 de Diniz para um 4-3-3, sem improvisações. Sem entrevistas coletivas desde a troca de comando, resta saber como o elenco vai reagir às mudanças e à situação de risco no Brasileirão.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos