Bola da Copa virou suspeita de espionagem, mas Trump não corria risco algum

Do UOL, em São Paulo

  • Chris McGrath/Getty Images

O encontro entre o presidente russo Vladimir Putin e Donald Trump em Helsinque continua rendendo nos Estados Unidos, mas dessa vez por um motivo inusitado: bola da Copa do Mundo. Uma reportagem da agência Bloomberg levantou suspeita de espionagem russa através do objeto recebido por Trump de Putin. Tudo por causa de um chip que vem de fábrica.

A imagem de Putin presenteando Trump com a bola da Copa correu o mundo, mas demorou uma semana para a polêmica ser criada. A agência de notícias publicou que o chip que vem na bola de futebol poderia transmitir áudios diretamente ao governo russo, o que causou alarme no país.

Apesar de todo o alvoroço gerado nos EUA, o chip da bola da Copa do Mundo é inofensivo. Todas as bolas oficiais produzidas pela Adidas para o torneio veem com o chip. Trata-se de um objeto de interação com o dono da bola que permite que os fãs acessem vídeos de jogadores, de competições e outros conteúdos quando o telefone dos mesmos é colocado perto da bola.

A desconfiança nos EUA começou a ganhar repercussão depois de o senador Lindsey Graham escrever no Twitter no dia do encontro que "se fosse Trump, eu checaria a bola para verificar a presença de equipamentos de escuta e jamais permitiria o objeto na Casa Branca".

A secretária de imprensa da Casa Branca Sarah Sanders comentou o caso à própria Bloomberg explicando que "os procedimentos de segurança que são feitos para todos os presentes foram feitos com a bola. Não vamos comentar procedimentos de segurança futuros".

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos