Topo

Futebol


Na bola e com grupo, Arthur e Richarlison impressionam em recomeço de Tite

Pedro Martins / MoWA Press
Arthur recebeu chance de Tite no primeiro jogo após a queda na Copa do Mundo Imagem: Pedro Martins / MoWA Press

Pedro Lopes

Do UOL, em Washington, DC (EUA)

2018-09-10T04:00:00

10/09/2018 04h00

Depois de utilizar dez jogadores que estiveram na Copa do Mundo na vitória sobre os EUA por 2 a 0 na sexta-feira, Tite promete mais experiências na terça, diante de El Salvador, em Washington. Dentre os vários recém-chegados à seleção, dois vêm impressionando nesse começo de ciclo: Arthur, do Barcelona, e Richarlison, do Everton.

O meio campista já tinha deixado excelente impressão na última convocação, no fim de 2017. Isso se mantém e se amplia durante a passagem do Brasil pelos EUA. Tive vê no jogador do Barcelona, além de qualidade no passe, uma capacidade rara de mudar as decisões no último segundo das jogadas, encontrando sempre uma saída.

Isso tem aparecido nos treinos da seleção. Arthur erra pouco e participa bem até em fundamentos que não são parte de sua principal característica. Foi o único dos “novatos” a treinar entre os titulares na quarta-feira, antes da vitória de sexta sobre os anfitriões na sexta. O time melhorou com sua presença e ele marcou um gol na vitória por 4 a 1 sobre os reservas.

“É articulador posicional. Ele reprograma passe, só vira o tornozelo para dar um passe e induz o adversário a fazer uma marcação e dá uma finta com a mudança de lado”, elogiou Tite na sexta.

Richarlison, por sua vez, tem mostrado precisão nos treinamentos de finalização. O fundamento lhe rendeu críticas na primeira temporada na Inglaterra, com a camisa do Watford, e o atacante trabalhou para aprimorar os chutes. Pelo Everton, marcou três gols nos primeiros três jogos na temporada.

A movimentação do camisa 9 também tem agradado à comissão técnica. Richarlison, nos treinamentos, parte em velocidade sem a bola, dá opção para enfiadas dos meias e dos pontas e tem recebido elogios.

Além do desempenho com a bola, os dois jogadores se adaptaram rapidamente ao grupo. Com jeito autêntico, Richarlison virou xodó por dizer o que pensa e pela famosa “dança” do pombo. Arthur é mais discreto, mas também conseguiu se enturmar rapidamente com os colegas de seleção.

“Quando você chega em um ambiente onde não conhece todo mundo, fica mais tímido, cabisbaixo, e isso pode aparecer dentro de campo. Uma das virtudes desse grupo é colocar você para cima. Então aproveito para dizer obrigado a todos”, disse o meio campista, em Nova Jersey.

Tite ainda não deu pistas do time que escalará na terça, para além da promessa de fazer mais experiências. Tudo indica, entretanto, que Arthur e Richarlison devem ser titulares – os dois largaram na frente na busca por espaço na seleção brasileira.

O Brasil encara El Salvador às 21h30, horário de Brasilia, na terça-feira, no estádio Fedex Field, em Washington.

Mais Futebol