Líder do primeiro turno, São Paulo revive dilema de Corinthians de Carille

José Eduardo Martins

Do UOL, em São Paulo

  • Thiago Ribeiro/AGIF

    Diego Aguirre comanda o São Paulo na busca para retomar a liderança do Brasileiro

    Diego Aguirre comanda o São Paulo na busca para retomar a liderança do Brasileiro

Campeão simbólico do primeiro turno do Campeonato Brasileiro, o São Paulo começou o segundo turno como um forte candidato ao título. Cinco rodadas depois, o time sofre muito mais que o previsto para somar pontos e se desdobra para tentar recuperar o melhor momento. É um dilema parecido com o que viveu o Corinthians de Fábio Carille, campeão do ano passado, que quanto mais tinha a bola nos pés, mais sofria para superar os adversários. 

O Tricolor fechou o primeiro turno da competição com 71,93% de aproveitamento dos pontos (12 vitórias, cinco empates e apenas duas derrotas). Neste período, o time teve a bola no pé em 47,6% do tempo, em média. Desta maneira, marcou 32 gols (1,68 por jogo) e sofreu 16 (0,84 por confronto).  

Já nas últimas cinco jornadas, os números são bem diferentes. Como os oponentes adotaram uma postura mais defensiva, o time teve 54,2% da posse de bola, mas apresentou mais dificuldade para acertar o arremate. Os são-paulinos balançaram as redes quatro vezes (média de 0,8) e sofreram três tentos (0,6 por duelo). O aproveitamento, por outro lado, caiu para 53,3%.

No caso do Corinthians, o contraste é ainda maior. O time de Fábio Carille teve a melhor campanha na história do Campeonato Brasileiro no primeiro turno de 2017, com 82,45% de aproveitamento dos pontos (14 triunfos e cinco empates). O ataque registrou o mesmo desempenho do São Paulo deste ano, com 32 gols (1,68 por jogo), e a defesa levou nove tentos (0,47 gol por confronto). Tais números foram obtidos com os alvinegros sendo donos da bola durante 49,1% do tempo das partidas. 

Já nos cinco confrontos seguintes, a equipe também caiu de rendimento ao ver os adversários jogarem na retranca e abrirem mão de ficar com a posse de bola. Desta maneira, os corintianos passaram a ter 58% de média de posse de bola. O aproveitamento dos pontos despencou para 40% dos pontos (duas vitórias e três derrotas). Nestes jogos, eles fizeram só dois gols (0,4 por rodada) e levaram quatro (0,8 de média).

Retomada

A queda de desempenho do São Paulo no segundo turno ainda não fez o time ligar o sinal de alerta. No primeiro turno, a equipe também apresentou dificuldades para superar estes adversários e ficou longe de encantar. Na sequência da competição, porém, o Tricolor encontrou uma maneira de jogar, geralmente explorando a velocidade do seu sistema ofensivo. 

Justamente a partir da sexta rodada, em um clássico contra o Santos - adversário do São Paulo neste domingo (16) -, o time engatou uma boa sequência de três vitórias para entrar no pelotão da frente do nacional. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos