Denilson trata críticas com normalidade e não sabe se fica no Atlético-MG

Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

  • Bruno Cantini/Divulgação/Atlético-MG

    Denilson tem contrato longo com o Atlético-MG, mas não tem permanência garantida no clube em 2019

    Denilson tem contrato longo com o Atlético-MG, mas não tem permanência garantida no clube em 2019

Reserva imediato de Ricardo Oliveira, Denilson esteve em campo por 223 minutos desde que chegou ao Atlético-MG. O curto período em que atuou foi o suficiente para uma enxurrada de críticas vindas da torcida. A situação faz com que ele, inclusive, desconheça o futuro na Cidade do Galo.

Contratado por 300 mil euros (R$ 1,28 mi na cotação atual), o atacante assinou com o clube por cinco temporadas - até junho de 2023. A longevidade do acordo foi o principal motivo de rejeição nas arquibancadas.

Embora seja alvo constante dos torcedores, Denilson crê que a reprovação é fato corriqueiro na rotina um jogador de futebol.

"As cobranças acontecem. Você falou sobre algumas partidas que eu fiz, mas eu fiz apenas uma partida como titular, que foi contra a Chapecoense. Você também falou sobre a minha entrada no segundo tempo, elas têm sido por poucos minutos. É preciso confiança, estar jogando, entrar mais vezes para entrar em ritmo porque o treinamento é diferente do ritmo de jogo", declarou.

"Eu continuo trabalhando e perseverando, porque faltam seis jogos, ainda falta muita coisa, posso mostrar muita coisa. Independente das cobranças, eu tenho que me empenhar mais, tenho que trabalhar mais para quando eu tiver oportunidade de entrar, sendo ela pouca ou muita, eu tenho que dar meu máximo. Às vezes, todo jogador que entra no segundo tempo, entra cansado, porque é um nível alto que já está sendo feito no campo. Tenho que me empenhar mais no treinamento para ajudar minha equipe", acrescentou.

A saída do diretor de futebol Alexandre Gallo, responsável por sua contratação, e a chegada recente do técnico Levir Culpi faz com que Denilson desconheça o futuro no Atlético. O atacante não sabe se permanecerá no clube em 2019, mesmo com o extenso vínculo assinado em junho deste ano.

"Tem pouco tempo que o Levir chegou ao clube. É pouco tempo de trabalho que a gente tem, porque já está na reta final do campeonato. As oportunidades que tenho com ele são agradáveis. Eu tenho que mostrar no treinamento o jogador que eu sou, o jogador que posso ser no futuro e continuar trabalhando. Se for para ficar no Atlético, serei muito grato, mas tenho que trabalhar para o meu melhor, sendo aqui ou não", afirmou.

Em 2018, Denilson já havia defendido as cores do Vitória. No clube baiano, o centroavante fez 27 partidas e marcou 11 gols. Porém, teve mais chances de atuar. No Barradão, ele ficou 1892 minutos em campo.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos