Presidente vê manobra em pedido de impeachment no Coritiba: "golpe, sim"

Napoleão de Almeida

Colaboração para o UOL

"Sobram muito poucas palavras para nomear esse movimento. Entendo que sim, entendo que golpe poderia ser sim uma das palavras a serem utilizadas". A frase de Samir Namur, presidente do Coritiba, desnuda a visão do dirigente sobre o processo que enfrenta no clube, à partir da mobilização de um grupo de conselheiros que pedem a saída dele do clube. Namur não tem contra si nenhuma acusação de improbidade, mas o processo vê amparo no Estatuto do Clube, que coloca as Assembleias Gerais como superiores aos conselhos gestor e administrativo.

"Não tenho dúvidas que se o resultado de campo fosse outro, essas questões sequer aconteceriam. Mas é preciso dizer que o resultado de campo não habilita quem quer que seja a destituir um presidente", argumentou Namur em entrevista via Skype dada ao UOL Esporte – assista acima. Na próxima segunda (26), o Conselho Deliberativo dará forma à Assembleia Geral de Sócios que foi aprovada após o pedido de mais de 80 conselheiros. O clube irá definir como se dará a votação para saber se Namur fica ou deixa a presidência do Coxa. Até lá, o presidente segue tentando montar a equipe para 2019 e fazendo modificações no clube.

"De uma forma realista, teremos R$ 40 milhões a menos de orçamento", comentou Namur. A conversa durou cerca de quarenta minutos. Nela, Namur viu o movimento como algo pessoal contra ele, mas evitou ligar o fato de ser de um homem de esquerda, argumento usado nas eleições do clube há um ano, em uma cidade que demonstrou maioria de direita nas eleições presidenciais. "Espero que não".

Namur falou sobre os erros no futebol em 2018. "Tivemos problemas na montagem do elenco", assumiu e garantiu que "sabemos que o Coritiba tem uma necessidade por títulos em 2019 e vamos desde o começo sem testes, com um time forte para o Paranaense". Justificou a passagem-relâmpago de Paulo Pelaipe pelo clube, "Ajudou", sobre a transição para o novo gerente, Rodrigo Pastana.

Ainda projetou a próxima temporada com Pastana: "Vem pra ser o nosso executivo de futebol. As decisões todas, principais, do departamento de futebol, são competência dele. Se vai ser braço direito do presidente ou não, isso é muito de futuro." E também falou sobre as situações do goleiro Wilson, do atacante Guilherme Parede e do meia Matheus Galdezani, emprestado ao Atlético-MG.

O presidente disse duvidar que o Coxa tenha sofrido qualquer tipo de boicote no mercado do futebol, pelo noviciado da diretoria, mas reconheceu que os empresários estão com portas abertas para ajudar na montagem da equipe 2019, caso da LA Sports, mas com ressalva: "Não é verdade que exista uma aproximação em termos de montagem de elenco. O que existe é um bom relacionamento, não só com eles, mas com outros agentes. São livres para nos oferecerem jogadores".

Por fim, Namur fez um apelo aos sócios, que poderão em breve votar sua permanência ou saida do cargo de presidente: "O que vai acabar acontecendo em dezembro é uma espécie de restauração da campanha eleitoral. Vou ter que gastar tempo de administração do clube em uma campanha contra a destituição. Esse é um pedido antidemocrático, que desrespeita o resultado das eleições de um ano e abre um precedente terrível para o Coritiba. Já está em curso uma série de mudanças e ninguém mais indicado e autorizado que eu mesmo para continuar com esse processo todo. Imagine mudar o presidente em janeiro ou fevereiro, que consequências isso pode causar?"

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos