EUA se adiantam em disputa com CBF e chamam garoto que passou pelo Real

Marcus Alves

Colaboração para o UOL, de Lisboa (POR)

  • Reprodução/Instagram

Anote esses nomes: Kaio Jorge, do Santos, Gabriel Veron, do Palmeiras, e João Peglow, do Inter. Badalados, eles fazem parte da nova safra de talentos do Brasil e, no próximo domingo (02), entram em campo com a seleção sub-17 contra os Estados Unidos, em confronto pelo Nike Friendlies, torneio da categoria que está sendo disputado na casa dos adversários.

O trio terá pela frente o compatriota André Costa, promessa que passou pelo Real Madrid e defende atualmente o Rayo Vallecano-ESP. Ele foi chamado pela primeira vez pelos americanos e fará a sua estreia na competição.

Os Estados Unidos se anteciparam ao Brasil e, após uma consulta inicial através de seu diretor de scouting Tony Lepore, resolveram convocar o meia de 16 anos que nasceu em São Paulo, mas deixou o país logo cedo, aos cinco.

Conforme apurado pelo UOL Esporte, a CBF foi alertada sobre o futebol do meio-campo ainda no final de 2016 e pretendia trazê-lo para acompanhar na sub-15, porém, com a mudança de gestão e o desmanche da estrutura que havia na base, o monitoramento se perdeu e, segundo pessoas ligadas à entidade, hoje praticamente não existe.

A própria presença de Costa na delegação americana pegou de surpresa os funcionários brasileiros, que 'pregam' que a sua ida para os Estados Unidos se trata de uma "decisão reversível".

O potencial do jovem jogador já chegou a provocar uma situação, no mínimo, inusitada nos bastidores: em sua transferência do Leganés para o Real Madrid, os cartolas merengues abordaram a CBF porque ouviram que ela pretendia chamá-lo e ficaram preocupados por conta de uma suposta valorização repentina que poderia atrapalhar o acordo.

Naquela altura, eles não contavam que seriam os americanos os primeiros, no entanto, a darem o salto para garantir o atleta e transformá-lo em seu camisa 7.

Pontapé inicial na Flórida

André Costa fez a sua formação pelo Weston, uma das mais tradicionais academias de futebol americanas, na região da Flórida, e mudou-se com a família para a Espanha em 2014. Passou rapidamente em teste no Leganés, mas, como era menor da idade, teve de aguardar quatro meses para que a Fifa autorizasse a assinatura do contrato.

Foram três anos no clube, com destaque especial no terceiro, quando foi chamado para atuar pela seleção regional de Madri. A partir dali, chamou a atenção de 'meia Espanha'. Recebeu diversas ofertas e ficou balançado por três delas: Real Madrid, Barcelona e Atlético de Madri.

Descartou o Barça porque a proposta obrigava morar no alojamento da equipe, sem a família, e ficou, então, entre Real e Atlético. Os merengues levaram a melhor na disputa. Ele permaneceu na base madridista até o início do semestre, quando resolveu mudar de ares e rescindir o contrato que tinha até 2023 para atuar com mais frequência e subir de categoria no Rayo Vallecano.

A ida para o Rayo permitiu que Costa seguisse morando em Madri e continuasse com a sua formação no sub-18.

No aguardo da residência espanhola

Com nacionalidades brasileira e americana, o meia espera conseguir a espanhola em breve também.

Ela permitiria alçar outros voos mais altos e, com uma multa reduzida em seu novo acordo, atender até mesmo aos convites recentes que recebeu da Premier League. O seu pai André Luiz Costa, que cuida da sua carreira mais diretamente, chegou a viajar para conversar com clubes locais.

O caso da promessa brasileira é semelhante ao de nomes como Thiago Alcântara, do Bayern de Munique, Rony Lopes, do Monaco, e Jorginho, do Chelsea, que foram deixados de lado pela CBF e escolheram defender outras seleções.

Com interesse de diversos lados, a própria convocação de André Costa pelos Estados Unidos foi cercada de expectativa, com o Rayo Vallecano demorando a emitir a sua liberação e pressão dos americanos através de ligações e e-mails para conseguirem o aval no último minuto.

Dono de um estilo que se assemelha ao do ex-meia Roger Flores, ex-Fluminense e Corinthians, com uma perna esquerda refinada e habilidoso, ele teve como única experiência no Brasil uma passagem pela escolinha do craque Roberto Rivellino, em São Paulo.
 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos