Topo

Futebol


"Espírito de Zico": Serginho brilha e japoneses enfrentam Real no Mundial

Brasileiro, ex-Santos e América-MG, participou de jogada de gol e fez outro - Suhaib Salem/Reuters
Brasileiro, ex-Santos e América-MG, participou de jogada de gol e fez outro Imagem: Suhaib Salem/Reuters

Do UOL, em São Paulo

15/12/2018 12h55

A primeira semifinal do Mundial de Clubes está definida: Kashima Antlers x Real Madrid. Neste sábado, no estádio Hazza Bin Zayed, em Al Ain, nos Emirados Árabes, o time japonês venceu o Chivas, do México, por 3 a 2, e garantiu classificação para enfrentar os atuais campeões da Europa na próxima quarta-feira, às 14h30. O destaque do jogo foi o meia brasileiro Serginho, revelado pelas categorias de base do Santos: ele participou da jogada do gol de empate e marcou, de pênalti, o da virada. Depois, Abe aumentou e o Chivas voltou a diminuir em lance com participação do árbitro de vídeo.

O ídolo brasileiro Zico é dirigente do clube japonês e acompanhou o jogo nas tribunas do estádio. Na torcida do Kashima ainda havia uma faixa escrito "Spirit Of Zico" (espírito de Zico, na tradução). O ex-jogador já havia trabalhado no Kashima como jogador, entre 1991 e 1994, técnico em 1999 e diretor, entre 1996 e 2002. Ele tem contrato até dezembro.

Zico é diretor técnico do Kashima e viu o jogo nas tribunas - Giuseppe Cacace/AFP
Zico é diretor técnico do Kashima e viu o jogo nas tribunas
Imagem: Giuseppe Cacace/AFP

O jogo não tinha nem três minutos de bola rolando quando o Chivas abriu o placar. Na primeira chegada, o time entrou na área pela direita, Uchida antecipou mal um cruzamento de Brizuela, perdeu o tempo de bola e viu a jogada terminar com cabeceio de Zaldívar dentro da área, sem defesa para Sun-Tae Kwoun. Além de raros lances do brasileiro Leandro, o Kashima pouco incomodou os mexicanos no restante do primeiro tempo, e as melhores chances foram do Chivas. O próprio Zaldívar teve chance de marcar o segundo em um chute forte dentro da área, mas Sun Tae fez bela defesa, e Pineda ainda acertou o travessão.

 Mas o que parecia um massacre do Chivas rapidamente mudou de figura, porque o Kashima Antlers empatou aos três minutos da etapa complementar. Na primeira boa jogada do time japonês em Al Ain, um brasileiro fez bonito: Serginho, um dos sete brasileiros inscritos no Mundial, recebeu passe em contra-ataque, girou o corpo e encontrou Doi em boas condições para fazer o cruzamento na área. Nagaki chegou antes da zaga mexicana e bateu de pé direito para empatar.

O jogo havia diminuído o ritmo até que Marín derrubou Doi na área e o árbitro marcou pênalti para o Kashima Antlers. O brasileiro Serginho foi escolhido para cobrar e não decepcionou: virou o placar para o time japonês em batida sem defesa para o goleiro Gudino. Aos 38 minutos do segundo tempo, enfim a prova de superioridade do time japonês nos Emirados Árabes. Abe, que havia entrado no lugar do brasileiro Leandro, recebeu dentro da área, dominou e deu um belo chute para aumentar o placar. Nos acréscimos, um susto: o árbitro de vídeo interferiu após lance confuso na área do Kashima e deu pênalti para o Chivas. Pulido diminuiu o placar e deixou o jogo aberto até o fim. Mas não mudou nada.

Enquanto Kashima Antlers e Real Madrid aguardam a semifinal na quarta-feira, outro jogos pelas quartas de final acontece neste sábado: Espérance (Tunísia) x Al Ain, que é o time da casa. Quem passar deste confronto enfrenta os argentinos do River Plate.

Mais Futebol