Topo

Futebol


Atritos, maldição e queda no Natal: Mourinho vive déjà vu em nova demissão

Paul Ellis/AFP
Mourinho deixou o Manchester United no meio da sua terceira temporada com o clube Imagem: Paul Ellis/AFP

José Edgar de Matos

Do UOL, em São Paulo (SP)

2018-12-18T13:24:54

18/12/2018 13h24

José Mourinho deixou o comando do Manchester United nesta terça-feira (18). A saída do gigante inglês carrega um déjà vu na parte mais sombria da carreira ainda vitoriosa do treinador português. Assim como em um passado recente, o agora ex-comandante dos Diabos Vermelhos enfrentou atritos, confirmou uma antiga "maldição" e deixou o cargo antes do Natal.

No Manchester United de pior campanha no Campeonato Inglês em 28 anos, Mourinho ratificou uma marca que se tornou tabu em sua trajetória profissional. O Special One agora se acostumou a interromper o trabalho antes, durante ou no fim da terceira temporada nos clubes em que dirigiu desde a projeção no Porto. 

Nos últimos quatro clubes que dirigiu, foi assim. Inter de Milão, Real Madrid, Chelsea e Manchester United perderam Mourinho em meio ao terceiro ano de parceria. Cenário que repete também a saída do Porto, ocorrida no início do terceiro ano de compromisso com o clube que o projetou ao topo com a conquista da Liga dos Campeões de 2004.

Na Internazionale, Mourinho optou por sair antes de começar o planejamento para o terceiro ano, após alcançar novamente o principal título europeu (2010). Na época, o português alegava o sonho de dirigir o Real Madrid.

EFE/Kiko Huesca
Mourinho comprou briga com o ídolo Casillas no Real Madrid Imagem: EFE/Kiko Huesca

Na Espanha, a saída ocorreu em meio a atritos e resultados aquém do esperado em maio de 2013, após três temporadas completas no maior vencedor da Champions League.

Se no United os problemas mais evidentes tiveram o astro Pogba como protagonista, o português colocou no banco Iker Casillas, um dos maiores ídolos madridistas, e quase brigou com Cristiano Ronaldo.

Segundo relato do jornalista Guillem Balague no livro 'Cristiano Ronaldo: A biografia', o craque que atualmente defende a Juventus foi contido por companheiros para não agredir o treinador.

Depois do Real Madrid, Mourinho voltou para onde era ídolo. Todavia, a segunda passagem pelo Chelsea também terminou em nova frustração. O português assumiu em 2013 e conquistou novamente a Premier League em 2015. Meses depois, os atritos vieram à tona.

Na terceira temporada (2015-2016), Mourinho chegou a acusar os jogadores de "traição" ao próprio trabalho, depois de derrota para o Leicester. O português teve problemas de relacionamento com Diego Costa, Eden Hazard e a médica Eva Carneiro, que deixou o clube e processou o técnico português.

Assim como o United nesta terça, o Chelsea se antecipou e interrompeu o trabalho de Mourinho antes do Natal, data tradicional na Inglaterra com os jogos do Boxing Day. Era 17 de dezembro de 2015 quando os Blues decidiram demitir o até então ídolo do clube.

As coincidências negativas sobre Mourinho só cresceram com a decisão do Manchester United. Problemas de relacionamento com os jogadores, demissão na terceira temporada e queda antes mesmo do Natal geram um questionamento: afinal, ele ainda é o Special One?.

Mais Futebol