Topo

Futebol


Palmeiras mantém dívida alta com Crefisa para não perder destaques

Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação
Dudu, Deyverson, Lucas Lima e Bruno Henrique são jogadores bancados pela Crefisa Imagem: Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação

Danilo Lavieri e Leandro Miranda

Do UOL, em São Paulo

2019-02-08T04:00:00

08/02/2019 04h00

Manter os principais destaques de 2018 tem um custo ao Palmeiras. Além de precisar renovar o contrato, aumentar o salário e pagar luvas para Dudu e Bruno Henrique, o clube opta por não diminuir a alta dívida que tem com a Crefisa, a sua patrocinadora.

Por conta de uma imposição da Receita Federal, todos os investimentos feitos em compras de jogador feitos no passado viraram empréstimos. Com isso, o Alviverde assinou um documento herdando a dívida de R$ 120 milhões. Este valor, hoje, já é maior por conta das correções sofridas diariamente. 

O Palmeiras teve a chance de diminuir esse total em quase R$ 90 milhões com as propostas do futebol chinês por Bruno Henrique (R$ 26 milhões) e Dudu (R$ 63 milhões), mas optou por mantê-los no elenco.

No acordo com a Crefisa, o Palmeiras só precisará arcar com esse custo quando os contratos de cada atleta se encerrarem ou quando eles forem negociados. Por isso, o clube afirma que essa ainda não é uma dívida consolidada e ainda conta com a chance de negociar o que chama de "ativos", os jogadores.

Vale destacar que a dívida só considera valores injetados diretamente na contratação dos atletas. O que é pago por patrocínio, luva e salário entra apenas como receita e, em 2019, ultrapassará os R$ 100 milhões, sem contar as metas que podem subir o valor total em mais de 30%. 

A lista de atletas da Crefisa tem nomes que estão encostados no elenco e que nem vaga no Paulista conseguiram, como Guerra, que custou R$ 10 milhões e só tem mais um ano de contrato, e Fabiano, que teve um investimento de R$ 6,7 milhões e não faz parte dos planos de Felipão.

Deyverson é um dos jogadores mais caros da lista. Comprado por R$ 18 milhões, o atacante recebeu multa de R$ 350 mil no salário após a sua expulsão no clássico e ainda corre o risco de tomar uma suspensão de até 12 jogos no Paulista. A situação do atleta e os valores envolvidos dificultam uma negociação.

A lista ainda tem outros nomes como Luan, que custou R$ 10 milhões e vive boa fase com Felipão, Thiago Santos, que custou R$ 1 milhão e teve seu contrato renovado recentemente, Lucas Lima, que custou quase R$ 20 milhões e enfrenta altos e baixos e Borja, que custou mais de R$ 30 milhões e tem contrato até 2021.

Mais Futebol