Topo

Ceará

Ele se chama Chico, joga no Ceará, mas cresceu no Paraguai e é sul-coreano

Divulgação/Ceará
Meia sul-coreano Chico foi contratado pelo Ceará no começo da atual temporada Imagem: Divulgação/Ceará

Diego Salgado

Do UOL, em São Paulo

2019-02-25T04:00:00

25/02/2019 04h00

Quem vê o meia Chico começar a temporada 2019 pelo Ceará de maneira tão decisiva não imagina o tamanho da colcha cultural que constitui a vida do jogador. Por trás das feições asiáticas, incomuns para o futebol brasileiro, existe uma história de luta que reúne fuga da Ásia, infância em um país pequeno da América do Sul e uma aposta de risco em uma carreira em que poucos chegam à elite do esporte.

Chico se chama Francisco Hyun Sol Kim. Tem 27 anos e pais sul-coreanos. O casal decidiu viver no Paraguai no fim da década de 1980, antes de a Coreia do Sul virar um Tigre Asiático com economia forte. Os dois deixaram um país pobre para buscar uma condição melhor de vida. Tiveram o último filho, Chico, no caso, em Cascavel, no Paraná. Os dois mais velhos nasceram em Assunção.

Brasileiro por acaso, devido à escolha dos pais por uma parteira sul-coreana que vivia no Paraná, Chico cresceu em Ciudad del Este. Lá, viu nascer a paixão pelo futebol, alimentada por jogos entre imigrantes na várzea, com o pai no papel de jogador.

Tal cenário, anos depois, tornou-se responsável por uma tentativa audaz: em 2008, a família de raízes sul-coreanas deixou o Paraguai para que os dois filhos fizessem um teste no Atlético Sorocaba, cujo dono era Sun Myung Moon, o Reverendo Moon, líder religioso sul-coreano.

"Conhecemos umas pessoas que tinham o contato dos dirigentes do Atlético Sorocaba. Meu pai mandou um e-mail para eles falando da situação em que a gente estava e então abriu uma porta para eu e meu irmão fazermos um teste lá. Arrumamos a mala e fomos", contou Chico em entrevista ao UOL Esporte.

Acervo pessoal
Chico ao lado do irmão, do avô e do pai, em 2003, ainda quando a família vivia no Paraguai Imagem: Acervo pessoal

A viagem de ônibus durou 22 horas e foi definitiva. Enquanto Chico e o irmão ficaram em Sorocaba por uma semana para a peneira, os pais do jogador se instalaram no bairro do Bom Retiro, em São Paulo. Como acontecera no Paraguai, ambos passaram a trabalhar em uma loja de roupas.

Uma viagem, dois destinos

A vinda ao Brasil mudou a vida da família - à época, a irmã estudava na Coreia do Sul. Chico conseguiu uma vaga na base do Atlético Sorocaba, mas viu o irmão três anos mais velho ser rejeitado por causa da documentação.

Ele jogava muito bem também, mas o que fez ele não passar no teste foi a documentação. Para mim, foi mais fácil porque eu tenho nacionalidade brasileira. A gente precisava de dinheiro para arrumar a documentação e não tinha como".

Apesar de ter tido sucesso na busca por um espaço no time, Chico, que viu o irmão se mudar para São Paulo, teve de superar uma barreira que muitas vezes é invisível, mas bastante sentida por descendentes de asiáticos: o preconceito velado.

Acervo pessoal
Irmãos de Chico posam ao seu lado no começo de 2015, quando o meia defendia o XV de Piracicaba Imagem: Acervo pessoal

"O começo não foi fácil. Eu nasci aqui no Brasil, mas sou sul-coreano também. Eu tinha de mostrar muito mais que um brasileiro. O Brasil é pentacampeão, o país do futebol. O país dos meus pais não tem tanta tradição. Eu sabia que tinha de mostrar mais para conseguir espaço. Eu sentia isso e me dedicava muito", contou o meio-campista.

Interior paulista virou casa

Chico estreou no time profissional do Atlético Sorocaba em 2010, aos 19 anos. Em cinco temporadas, defendeu outros nove times, cinco deles no interior de São Paulo: Olímpia, XV de Piracicaba, Capivariano e Bragantino, que lhe abriu portas para a realização de um sonho. Depois de se destacar no Campeonato Paulista 2016, ele foi contratado pelo Seoul E-Land, da Coreia do Sul.

A passagem foi breve, de apenas quatro meses, mas o suficiente para Chico ter a experiência de vivenciar costumes tão próximos a sua família. Durante a vida toda, mesmo longe da Coreia do Sul, a família manteve hábitos do país. 

A gente vivia como nativos no Paraguai, mas dentro de casa era como se fosse a Coreia do Sul. Até hoje falamos coreano entre nós. Achamos importante. Tiramos o sapato para entrar em casa, a alimentação também é de lá, comemos com hashi", disse.

Em 2018, depois de uma temporada no CRB, Chico voltou a ser contratado por uma equipe sul-coreana. Por um ano, ele defendeu o Pohang Steelers e, de quebra, ganhou a companhia dos pais por seis meses, situação que não aconteceu na primeira passagem. 

Sucesso no Ceará alimenta sonho

Depois de uma temporada no Pohang Steelers, Chico foi contratado pelo Ceará. Em nove jogos da temporada, o meia marcou quatro gols, além de se destacar nas assistências. A boa fase é tratada como o ápice da carreira e faz o jogador sonhar com a seleção sul-coreana.

Divulgação/Ceará
Meio-campista Chico comemora um dos seus quatro gols pelo Ceará na temporada 2019 Imagem: Divulgação/Ceará

"Vestir a camisa da seleção é uma motivação. Por isso aceitei a proposta ano passado: para jogar na Coreia e ter mais visibilidade, mas infelizmente as coisas não deram tão certo. Sou sul-coreano e sempre vou lutar para chegar lá", disse o atleta.

O sonho passou a ser objetivo de vida ainda em 2002, depois da participação da Coreia do Sul na Copa do Mundo. Como anfitriã do torneio, a seleção chegou às semifinais e encantou Chico, que tinha 11 anos e dava os primeiros passos no futebol.

Ainda distante da seleção, Chico ao menos viu a vida entrar nos trilhos depois de tanta instabilidade. Chamado até de "Song do Nordeste", o meia ajudou a família a enfim viver com mais tranquilidade. Hoje, eles têm uma loja de roupas em Assunção, que tem o irmão no comando. A mãe vive entre a capital paraguaia e o Brasil, enquanto o pai acompanha o filho de perto. "Sou feliz por conseguir ter ajudado todos eles", destacou.