Topo

Paulista - 2019


Paulistinha ou Paulistão? SP e Palmeiras jogam por fim de tabus e freguesia

Marcello Zambrana/Agif
Palmeiras venceu os últimos cinco clássicos contra o São Paulo Imagem: Marcello Zambrana/Agif

Bruno Grossi e Leandro Miranda

Do UOL, em São Paulo

2019-03-30T10:00:00

30/03/2019 10h00

São Paulo e Palmeiras iniciam hoje a primeira semifinal do Campeonato Paulista com muita coisa em jogo. Além da briga por uma vaga na decisão, os times colocarão em campo uma série de marcas e tabus a serem quebrados, acrescentando novos capítulos a uma rivalidade histórica. Enquanto os tricolores buscam voltar a uma final de estadual após 16 anos e dar fim a uma recente "freguesia", os alviverdes tentam evitar que se repita o cenário negativo do ano passado quando o título escapou.

Apesar de tratar publicamente o estadual como "Paulistinha" por causa do rompimento com a Federação Paulista de Futebol (FPF), o Palmeiras sabe que um revés no estadual tem potencial para desestabilizar o ambiente. Foi assim em 2018, quando a polêmica derrota nos pênaltis para o Corinthians, em que o clube acusou interferência externa na arbitragem a favor do rival, foi a primeira grande crise do treinador Roger Machado, que até então vivia situação tranquila no clube.

Além disso, o Palmeiras não vence o Campeonato Paulista desde 2008, com o time comandado por Vanderlei Luxemburgo e liderado em campo por Valdivia, Kleber, Diego Souza e Alex Mineiro. Foi naquela campanha, aliás, que aconteceu o último encontro de mata-mata com o São Paulo, famoso pelo triunfo alviverde na semifinal com direito a "chororô" de Valdivia em provocação a Rogério Ceni. É verdade que o Paulista está longe de ser tratado internamente como prioridade, mas o clube não despreza a competição.

"A gente sabe da dificuldade, das brigas que existem entre o Palmeiras e a federação. Mas a partir do momento em que a gente entra em campo, é a imagem do Palmeiras, dos jogadores. Então a gente entra para vencer, independentemente do campeonato", disse o meia Gustavo Scarpa.

Do outro lado, o jejum são-paulino é ainda maior. O último título foi em 2005, quando o torneio foi disputado em pontos corridos. O time não vai a uma final desde 2003 e não ganha uma final desde 2000. Em tempos recentes, também se tornou uma espécie de freguês do Palmeiras, desacostumando uma geração de torcedores que mais comemorava do que lamentava em jogos contra o rival. O Verdão venceu os últimos cinco clássicos, e de 2015 para cá, foram 10 vitórias palmeirenses, um empate e apenas dois triunfos tricolores.

O Tricolor, aliás, também teve sua fase "Paulistinha". Na época de Juvenal Juvêncio, o presidente são-paulino também entrou em atrito com a FPF e ameaçou algumas vezes disputar o estadual com jogadores da base. Assim como o Palmeiras atual, que também já cogitou usar um time de garotos e até deixou em aberto a possibilidade de não jogar o Paulista, o discurso não se concretizou.

A próxima página do clássico começa a ser escrita a partir das 18h de hoje, no Morumbi. O jogo da volta está marcado para o próximo dia 7 de abril, domingo, no Allianz Parque.