Topo

Palmeiras

Novos pontas do Palmeiras passam longe de repetir desempenho de Willian

Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação
Felipe Pires e Carlos Eduardo foram os reforços de velocidade pedidos por Felipão para 2019 Imagem: Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação

Leandro Miranda

Do UOL, em São Paulo

2019-04-14T04:00:00

14/04/2019 04h00

O Palmeiras tem tido que conviver com uma ausência pesada nesta temporada em relação ao time que foi campeão brasileiro no ano passado: Willian, com uma lesão grave no joelho, só tem previsão de retorno no segundo semestre e deixou uma lacuna importante no time titular. O problema físico do camisa 29 foi uma das razões para Felipão pedir a contratação de pontas velozes para 2019. Mas, até aqui, Carlos Eduardo e Felipe Pires não têm conseguido nem chegar perto das contribuições do "Bigode".

Em 2018, Willian jogou 65 vezes, sendo 48 como titular, anotando 16 gols e 10 assistências. A lesão no ligamento do joelho, aliás, aconteceu justamente no lance em que ele deu o passe para o gol do título brasileiro, marcado por Deyverson. As médias de 0,24 gol por jogo e 0,15 assistência por jogo são bem superiores ao que os dois recém-chegados mostraram por enquanto.

Carlos Eduardo tem apenas um gol em nove jogos (cinco como titular), o que dá uma média de 0,11. Ele marcou com um lindo chute de fora da área para decidir um clássico contra o São Paulo na primeira fase do Campeonato Paulista. Já Felipe Pires também fez um gol, mas em 13 jogos (seis como titular), com média de 0,07. A bola na rede foi contra o Oeste, também pelo estadual. Nenhum deles ainda conseguiu uma assistência.

Para além dos números, as atuações da dupla também não têm feito os dois caírem nas graças do torcedor. Carlos Eduardo oscilou bastante e alternou bons momentos individuais com falhas feias, como um gol perdido contra o Corinthians no Paulistão. Felipe Pires, por sua vez, foi bastante discreto e não conseguiu se destacar nas chances que recebeu.

As exibições pouco empolgantes dos dois reforços de velocidade pedidos por Felipão têm feito o treinador apostar muito mais em Gustavo Scarpa para a vaga que era de Willian, um jogador de características bem diferentes. Meia canhoto, muito mais um articulador do que um velocista, Scarpa tem sido um dos jogadores mais regulares da temporada e já soma quatro gols. O problema é que quando Scolari precisa mudar o estilo do ataque e colocar mais rapidez pela direita, as opções não têm correspondido.

Comprado por cerca de R$ 23 milhões do Pyramids, do Egito, Carlos Eduardo atualmente se recupera de uma entorse no tornozelo e deve estar à disposição para o próximo jogo do Palmeiras, que acontece apenas no dia 25 de abril, quinta-feira, contra o Melgar, pela Libertadores. Já Felipe Pires está apenas emprestado pelo Hoffenheim, da Alemanha, e tem até o final do ano para provar que o Verdão deve contratá-lo em definitivo.

Enquanto isso, Willian segue seu cronograma de recuperação de forma positiva. No quarto mês desde a cirurgia, o atacante já voltou a correr. O Palmeiras, porém, ainda considera muito cedo para prever se ele conseguirá voltar antes do prazo, que a princípio coloca o retorno do atleta a partir de junho.