Topo

Futebol


Sob o olhar dos familiares, Pedro Rocha teve estreia discreta pelo Cruzeiro

Vinnicius Silva/Cruzeiro
Imagem: Vinnicius Silva/Cruzeiro

Enrico Bruno

Do UOL, em Belo Horizonte

2019-04-16T04:00:00

16/04/2019 04h00

Quase 40 dias depois de fazer seu último jogo de 2019, o atacante Pedro Rocha estreou pelo Cruzeiro. Sua primeira partida foi justamente no clássico contra o Atlético-MG, válido pela final do estadual, e que terminou com a vitória celeste por 2 a 1. Com a família acompanhando in loco nos camarotes, o jogador se apresentou por cerca de meia hora, apareceu em algumas jogadas, mas teve uma atuação discreta em seu debute.

As chances de Pedro Rocha jogar o clássico cresceram após o jogador ficar concentrado com o grupo na véspera da partida, ao contrário de Thiago Neves, que só voltará no jogo do próximo sábado, no Independência. Aos 22 minutos do segundo tempo, o atacante foi promovido por Mano Menezes, e entrou no lugar de Rodriguinho. Com isso, Marquinhos Gabriel foi deslocado para o meio, e Pedro pôde jogar "na sua", caindo pela esquerda do gramado.

"Me senti muito bem, feliz demais por ter entrado, pela estreia. Eu já vinha treinando normalmente na Rússia, então me senti muito bem. Treinei a semana muito bem com meus companheiros e a expectativa está grande para que eu possa atuar mais vezes e ajudar o time", comentou o atacante.

Nos 29 minutos que passou em campo, Pedro Rocha teve uma atuação discreta. Nos camarotes, a família acompanhava o primeiro capítulo da trajetória do atacante no Cruzeiro, a princípio com validade até o final do ano, mas com chances de ser ampliada. Seu Jessé Souza, pai do jogador, tem o costume de anotar todos os gols de Pedro na carreira. Apesar de o filho ainda não ter balançado as redes, o novo caderno personalizado com o escudo do novo clube já foi comprado para começar a ser preenchido.

A última e também única partida do atacante em 2019 até então havia acontecido no dia 7 de março, ainda atuando pelo Spartak Moscou. Apesar de não aparentar estar sem ritmo de jogo, seus melhores momentos no Mineirão saíram nas tabelas feitas pelo lado esquerdo, principalmente com Egídio. Fora isso, deu apenas nove passes para os seus companheiros, além de ter tentado driblar em duas oportunidades. Agora, a tendência é que o jogador esteja novamente disponível pelo menos no banco de reservas de Mano Menezes para a partida decisiva contra o Atlético, que pode terminar com o bicampeonato celeste, além do primeiro de Pedro Rocha em poucas semanas no clube.

Mais Futebol