Topo

Caso Daniel


Caso Daniel: Vazam imagens do jogador sendo empurrado em balada

Do UOL, em São Paulo

18/04/2019 14h02

As imagens de câmeras de segurança da boate Shed, onde foi comemorado o aniversário de 18 anos de Allana Brittes, mostram Daniel e a família Brittes dentro da balada e do lado de fora do estabelecimento em Curitiba antes de o jogador ser morto, na manhã de 27 de outubro. Em determinado momento do vídeo, divulgado pela TV Globo, o jogador é empurrado.

As imagens da Shed foram vistas pela primeira vez nesta semana. As gravações estão em sigilo de Justiça e foram anexadas ao processo depois pedido da juíza do caso, Luciani Regina Martins de Paula. A polícia não chegou a avaliar o vídeo durante da investigação por um problema no formato do arquivo, segundo depoimentos de investigadores.

Em nota, o advogado Nilton Ribeiro, responsável pela assistência de acusação do 'Caso Daniel', informa que o vídeo apresentado pela casa noturna Shed confirma os depoimentos prestados pelas testemunhas de acusação, e que está confiante na condenação dos Acusados.

Daniel foi morto na manhã de 27 de outubro. Edison Brittes Júnior confessou ter assassinado o jogador após um "after party" realizado na casa da família. O atleta foi espancado após ser visto na cama do casal Edison e Cristiana Brittes, levado no porta-malas do carro de Brittes para um lugar afastado e degolado. O pênis do jogador foi cortado.

Reprodução TV Globo
Imagem: Reprodução TV Globo

Dentro da casa noturna, Daniel é visto curtindo a festa e depois na fila do caixa. Já do lado de fora, aparecem Cristiana, Edison e Allana Brittes, deixando o local.
Antes de ir embora, Daniel é visto perto de uma menina, do lado de fora da Shed. Ele é empurrado por um homem que está próximo à garota.

O depoimento de Marcelo Guerra, segurança da Shed, que depôs no começo de abril contou que Daniel se envolveu em uma confusão com homens ao tentar "importunar uma garota" na saída da balada. O momento que o atleta é empurrado é descrito por Guerra em seu relato à Justiça.

Ao longo do processo, a defesa da família Brittes vem sugerindo que Daniel tinha um comportamento inadequado com mulheres. Nos depoimentos de abril, as testemunhas de defesa da família Brittes acusaram o comportamento de Daniel como algo que levou ao crime.

Em seguida, as imagens mostram o jogador entrando em um carro.

O veículo é, segundo os relatos de depoimentos, um Uber, que levou Daniel e outros convidados ao "after party" na casa da família Brittes.

Além da família Brittes, outras três pessoas estão presas por envolvimento na morte do jogador: David Vollero, Ygor King e Eduardo Henrique da Silva. Evellyn Perusso responde em liberdade por falso testemunho.