Topo

Flamengo

Abel tem momento de alegria após perda do filho e susto com coração

Siga o UOL Esporte no

Bernardo Gentile

Do UOL, no Rio de Janeiro

2019-04-21T18:00:00

21/04/2019 18h00

"Esta parte da minha vida... Esta pequena parte da minha vida... Chama-se felicidade". A frase narrada por Will Smith no filme "À Procura da Felicidade" se encaixa perfeitamente no momento vivido pelo técnico Abel Braga. O título do Campeonato Carioca é uma fagulha de alegria em meio ao breu em que se encontra o comandante do Flamengo.

Reprodução/Instagram
Imagem: Reprodução/Instagram

Desde julho de 2017, quando o treinador perdeu o filho João Pedro, de apenas 18 anos, o treinador tem encarado uma barra pesadíssima. Soma-se a isso a estressante rotina de um técnico de futebol e o resultado foi uma arritmia no fim de março, quando teve que passar por uma cirurgia no coração.

O susto não o fez mudar drasticamente sua rotina. Voltou a treinar o Flamengo dias depois e passou a encarar novamente a pressão de estar à frente de um dos maiores clubes do Brasil. "E o Arrascaeta?", "Por que a insistência no Vitinho?" ou "Só não tira o Everton Ribeiro".

Indagações e cobranças que o treinador teve que responder por várias oportunidades mesmo quando sabia que estava fazendo o melhor para o Flamengo dentro de suas convicções. Campeão estadual, do Brasil, da América do Sul, do mundo. O impecável e pesado currículo não foi suficiente para que Abel Braga tivesse confiança da torcida, que vaiou e xingou no primeiro momento de dificuldade na temporada.

Insistiu. Até porque Abel Braga é desses. Dificilmente será vencido pela maioria ou passará a fazer algo que não acredite. Morre com suas convicções. Elas foram suficientes para que o Flamengo conquistasse novamente o Rio de Janeiro sem tanta dificuldade.

Abel foi contratado porque o Flamengo passou alguns anos em 'modo banana'. Precisava de alguém com alma rubro-negra, que resgatasse o incômodo com a derrota e visse na vitória sua única alternativa. Chegou, fez e venceu. Ainda é pouco, mas é o primeiro passo para o clube da Gávea. E também o primeiro para o treinador, que tenta renascer após o sentimento mais doloroso que um pai pode ter.