Topo

Futebol


Red Bull assume gestão do Bragantino, que comemora sobrevivência do clube

Emanuel Colombari/UOL
Red Bull assume gestão do futebol do Bragantino em 2019; mudanças em nome e escudo devem ser discutidas para 2020 Imagem: Emanuel Colombari/UOL

Emanuel Colombari

Do UOL, em São Paulo

2019-04-23T14:19:33

23/04/2019 14h19

Bragantino e Red Bull anunciaram hoje o contrato de parceria entre as duas partes, para que o departamento de futebol da empresa de energéticos assuma a gestão do time de Bragança Paulista. Assim, a partir da próxima sexta-feira, quando o Bragantino visita o Brasil (RS) pela primeira rodada da Série B do Campeonato Brasileiro, o torcedor do time paulista verá uma equipe bem diferente - não apenas em campo.

As informações foram divulgadas por Thiago Scuro, diretor-executivo de futebol da Red Bull para a América Latina, e Marquinhos Chedid, presidente do Bragantino. Por um compromisso entre as partes, o Bragantino manterá seu nome e seu distintivo em 2019. Além disso, continuará jogando em Bragança Paulista, e o nome do estádio (Nabi Abi Chedid, ex-presidente do clube e pai de Marquinhos Chedid) também permanecerá.

O acordo é uma tentativa de modernizar o futebol do Bragantino. Mais do que isso: segundo Marquinhos Chedid, a Red Bull ajudará o clube a sobreviver.

"Eu me emociono porque ele (o pai, Nabi) estava na UTI, há 13 anos, morrendo. Pediu só um favor para mim: não deixar o Bragantino morrer. E eu estou cumprindo essa promessa", disse um emocionado Marquinhos, que acredita que o pai aprovaria a parceria. "Tenho certeza de que meu pai até faria mais do que eu estou fazendo."

Entretanto, a partir de 2020, a ideia é que algumas mudanças sejam implementadas. O time deve passar a se chamar Red Bull Bragantino, com mudanças no escudo - ainda que mantendo uma identidade mais próxima da tradicional. Segundo Thiago Scuro, ainda não há uma posição oficial a respeito.

"Não existe definição da nossa parte", explicou o dirigente, que afirmou que as mudanças devem ser discutidas no segundo semestre. A prioridade do momento, segundo ele, é a montagem do elenco para a Série B. "O que a gente acordou é um contrato de gestão do futebol. Isso passa a ser, a partir de já, uma gestão nossa", declarou também.

Para a segunda divisão nacional, o time de Bragança Paulista já tem algumas certezas. O zagueiro Léo Ortiz e os atacantes Osman e Thiago Ribeiro estarão à disposição, assim como o técnico Antônio Carlos Zago, que comandou o Red Bull Brasil durante o Campeonato Paulista. "O Zago aceitou nosso convite dias atrás e deve assinar hoje até o fim do ano que vem", anunciou Scuro.

Emanuel Colombari/UOL Esporte
Foco do Bragantino é time para a disputa da Série B; técnico Antônio Carlos Zago comandará equipe Imagem: Emanuel Colombari/UOL Esporte

Futuro incerto do Red Bull Brasil

Em meio às possibilidades a respeito de nome e escudo do clube de Bragança Paulista, outra questão permanece aberta: o futuro do Red Bull Brasil. O time da empresa em Campinas permanece ativo pelo menos até o fim de 2019, embora não participe da Série D do Campeonato Brasileiro ou da Copa Paulista.

"Por enquanto, vamos manter o investimento nos dois clubes. Temos um trabalho de base há anos, muitos atletas se desenvolvendo, um compromisso com essas famílias, com esses jovens. A equipe profissional não disputa competições no segundo semestre, isso já está publicado. A única opção que temos era disputar a Copa Paulista e a opção foi de que não (disputaria)", explicou Thiago Scuro.

Segundo ele, o time poderá inclusive disputar o Campeonato Paulista de 2020 ou negociar sua vaga na primeira divisão estadual. "As duas possibilidades existem", disse o dirigente, admitindo o interesse de equipes na vaga. "Obviamente, no ano que vem, vamos ter fazer uma opção, um direcionamento, aí vamos definir como proceder com o Red Bull Brasil."

Para Marquinhos Chedid, a chegada da Red Bull traz principalmente uma certeza: a de que o Bragantino não apenas sobreviverá, como também estará na vanguarda do futebol. Nos planos dos dois dirigentes, a meta é colocar o clube como a quinta força do futebol paulista.

"Nós precisamos mudar o futebol brasileiro. Os clubes pequenos do interior vão sucumbir. Vocês sabem como o futebol do interior de São Paulo já foi forte. Muitos clubes deixaram de existir", disse o presidente do Bragantino, que vê no acordo a chance de "eternizar o Bragantino". "Meu pai sempre foi um cara de vanguarda. E o futebol muda. Aprendi com ele essa visão. O mundo está cada vez mais globalizado", completou.

Mais Futebol