Topo

Conmebol notifica Athletico após antidoping flagrar Thiago Heleno e Camacho

Thiago Heleno foi suspenso preventivamente; prazo máximo da suspensão é de 60 dias - Marcello Zambrana/AGIF
Thiago Heleno foi suspenso preventivamente; prazo máximo da suspensão é de 60 dias Imagem: Marcello Zambrana/AGIF

Napoleão de Almeida

Colaboração para o UOL

11/05/2019 13h57Atualizada em 11/05/2019 18h32


Os jogadores Thiago Heleno e Camacho, do Athletico Paranaense, foram apanhados pela Comissão Antidopagem da Conmebol pelo uso de um complemento nutricional antes do jogo de volta contra o Tolima, dia 9 de abril, pela fase de grupos da Copa Libertadores.

A Conmebol já notificou o Athletico sobre Thiago Heleno e aguarda a contraprova quanto a Camacho. O zagueiro foi suspenso preventivamente. O prazo máximo da suspensão é de 60 dias, a contar da notificação. Heleno e o clube podem recorrer e explicar a situação.

Além deles, outros jogadores como Bruno Guimarães e João Pedro, atualmente no Paraná, tomaram a suplementação indicada pelo departamento nutricional do clube.

A Conmebol não se manifesta oficialmente sobre o tema. É praxe da entidade notificar apenas o clube, em contato direto feito pela comissão antidoping. Heleno desfalcou o Athletico já no jogo contra o Jorge Wilstermann, na Bolívia, após a notificação, e também não atuou contra o Boca na última quinta-feira (09). Bruno Guimarães foi retirado do jogo de última hora, por precaução. A informação passada à imprensa era de que ele estava com forte gripe e febre.

Já João Pedro, que foi emprestado ao Paraná, fez exames complementares e foi liberado para jogar. A substância não identificada leva entre 5 a 7 dias para ser eliminada pela corpo. João Pedro desfalcou o Paraná contra o CRB e, por precaução, foi afastado da partida de hoje contra o Cuiabá, pela Série B do Brasileiro. Ele integrou a delegação atleticana na partida da Libertadores.

O clube não corre nenhum risco de punição, já que as penas são individuais. Procurado, o Athletico não respondeu a reportagem até a publicação deste material. O Paraná não quis se manifestar.