Topo

Futebol


Darci "Coice de Mula" lembra 'veto' a Alex no Palmeiras e afeto pelo Santos

Darci, ex-Palmeiras, disputa bola com o ex-cruzeirense Valdir na Copa do Brasil de 1998 - Folha Imagem
Darci, ex-Palmeiras, disputa bola com o ex-cruzeirense Valdir na Copa do Brasil de 1998 Imagem: Folha Imagem

Augusto Zaupa e Vanderlei Lima

Do UOL, em São Paulo

18/05/2019 04h00

Na briga pela liderança isolada do Brasileirão, o Palmeiras enfrenta o Santos neste sábado, às 19h, pela quinta rodada do torneio. O clássico no estádio do Pacaembu terá um gosto especial para o ex-meia Darci. Apesar de ser torcedor declarado do time praiano, foi no clube alviverde que o gaúcho de 52 anos conquistou os principais títulos da carreira.

Em conversa exclusiva com o UOL Esporte, Darci recorda a 'pegadinha' de Felipão na semifinal da Copa do Brasil de 1998, quando ganhou surpreendentemente a vaga de titular que era de Alex, o 'trampolim' na carreira ao vestir a lendária camisa 10 do Peixe e o dia em que recebeu o apelido de "Coice de Mula", por ter acertado um chute no rosto de Mirandinha.

VEJA TAMBÉM:

Em 23 de maio de 1998, o treinador Luiz Felipe Scolari deixou pasmas a torcida alviverde e a imprensa ao sacar o então incontestável titular Alex para escalar Darci, pela segunda partida da semifinal da Copa do Brasil, na Vila Belmiro - o primeiro jogo terminou empatado em 1 a 1, no então Palestra Itália.

"O Felipão argumentou que tínhamos a possibilidade maior de ganhar do Santos se usássemos um meio campo com a característica igual a minha. Por isso veio a decisão de me colocar naquele momento. Ele disse que eu era muito mais participativo, muito mais intenso. Eu atacava e defendia bem. O Alex era um jogador mais de contenção de bola, de distribuição", comentou Darci.

Autor do segundo gol palmeirense no novo empate por 2 a 2 - o resultado colocou o time da capital na final da competição -, o ex-jogador gaúcho recordou que a decisão de Felipão surpreendeu até o restante do time.

"Eu estava preparado para ser reserva e não para jogar aquele jogo porque durante a semana toda o time treinou com o Alex como titular. Mas o Felipão anunciou meio que em cima da hora e foi um alvoroço dentro do vestiário. Foi um susto em todo mundo, uma coisa muito única. Acredito que até na carreira do Felipão", comentou.

Apesar de Alex ter perdido a vaga no time momentos antes de a bola rolar na Vila Belmiro, Darci lembrou que o colega não ficou chateado com a decisão.

"O Alex é muito meu amigo. Até hoje temos contato. Essa história virou até uma piada interna porque brincávamos que iria ter um coletivo durante a madrugada e não podíamos faltar. Brinquei que naquela madrugada o Alex ficou dormindo e perdeu a vaga. O Alex dava risada e falava que tinha sido bom o Felipão me colocar no time porque acabei fazendo o gol da classificação", declarou Darci, que acabou voltando ao banco de reservas no título da Copa do Brasil conquistado na final contra o Cruzeiro.

Paixão pelo Santos

Darci (agachado, à esquerda) com a camisa do Santos em 1993 - Arquivo pessoal
Darci (agachado, à esquerda) com a camisa do Santos em 1993
Imagem: Arquivo pessoal

Revelado pelo Grêmio no fim da década de 1980, Darci passou por alguns clubes do interior paulista até chegar na Vila Belmiro em 1993. Apesar de ter conquistado a Copa do Brasil de 1989 pelo time gaúcho, o ex-meia afirma que ganhou notoriedade no futebol nacional devido ao tempo que vestiu a camisa que foi um dia de Pelé.

"Foi um trampolim para ser conhecido no Brasil. Acabei usando a camisa 10 e também fui capitão do time. Eu me identifiquei muito com o lugar e me adaptei fácil à cidade. Foi muito gratificante ter jogado no Santos. Apareci bastante para o futebol brasileiro e fui cotado para a seleção brasileira na época. O Santos me projetou para o futebol nacional", analisou.

Para quem torcer no clássico?
Golaço de Darci eliminou o Santos da Copa do Brasil 1998 em plena Vila Belmiro - Folha Imagem
Golaço de Darci eliminou o Santos da Copa do Brasil 1998 em plena Vila Belmiro
Imagem: Folha Imagem

Mesmo sem ter conquistado nenhum título na rápida passagem pela Vila Belmiro, o gaúcho da cidade de Campina das Missões tem uma grande identificação com o Santos, tanto que se tornou torcedor do clube. Porém o afeto que o ex-jogador tem por Felipão o deixou em cima do muro para o clássico no Pacaembu.

"Eu torço para o Santos. Fui até na festa da torcida no ano passado. O torcedor tem um carinho grande por mim e eu tenho muitos amigos lá. Mas vai ser muito difícil porque o Felipão é um cara muito querido. Vou torcer por um bom jogo. Claro que me identifico mais com o Santos, mas no Palmeiras eu consegui títulos. Tenho um carinho especial por cada clube por onde passei", disse Darci, que ainda fez elogios ao estilo de jogo utilizado pelo técnico argentino Jorge Sampaoli.

"O Santos hoje se identifica com os grandes times do futebol que a gente gosta de ver. Não só joga, mas dá show. É ofensivo, tem uma nova cara, um futebol alegre e bonito, como há muito tempo a gente não via. Já o Palmeiras é esse timaço que todo mundo conhece. Eu vejo uma igualdade muito grande", acrescentou.

"Coice de Mula"

Embora desperte boas recordações da torcida palmeirense, Darci ficou marcado por um fato negativo contra o time paulista. Na partida entre Palmeiras e Grêmio, em 27 de setembro de 1989, quando ainda defendia o lado gaúcho, o meia acertou um forte chute no rosto de Mirandinha. O atacante teve que passar por cirurgia reparadora na face e só voltou a jogar meses depois. Devido ao episódio, o ex-jogador recebeu o apelido de "Coice de Mula".

"Eu peguei a bola e fui para o contra-ataque perto do meio-campo. O Mirandinha deu um carrinho e travou as minhas pernas. O Grêmio estava perdendo [a partida terminou 2 a 0] e eu fui pegar a bola para sair jogando rápido. Mas ele travou as minhas pernas de novo e continuou sentado. Eu tentei me soltar e larguei a perna solta para trás. Foi realmente um coice que fraturou o maxilar do Mirandinha", recordou Darci.

"Posteriormente, claro, pedi desculpas ao Mirandinha e ele aceitou. Ele reconheceu que foi um lance casual. Ele já me conhecia de outros jogos e sabia que não tinha sido proposital até porque eu estava de costas e não percebi o que fiz. Depois, pela TV, eu vi a minha infelicidade", acrescentou o ex-jogador, que atualmente possui uma escolinha de futebol conveniada com o Grêmio em Campina das Missões (RS).

Mais Futebol