Topo

Futebol


Leonardo acerta retorno ao PSG com "carta branca" e tenta segurar Neymar

BERTRAND GUAY-18.jul.2012/AFP
Imagem: BERTRAND GUAY-18.jul.2012/AFP

João Henrique Marques

Colaboração para o UOL, em Paris

2019-06-12T04:00:00

12/06/2019 04h00

Nas conversas de bastidores do Paris Saint-Germain já está claro que o clube terá um novo comando diretivo a partir da próxima temporada. O ex-jogador Leonardo retorna ao cargo de dirigente do PSG após a saída traumática em 2013 - tendo agredido um árbitro e encarado uma suspensão de um ano. O acerto foi noticiado pelo jornal francês Le Parisien e confirmado pelo UOL Esporte com o estafe de jogadores brasileiros da equipe.

Na visão do grupo de brasileiros do time, Leonardo terá como principal missão de controlar Neymar e impedir que a onda de especulação em torno de transferência para o Barcelona aumente. O dirigente chega com "carta branca", já trabalhando na montagem do elenco com nomes de sua preferência.

VEJA TAMBÉM:

Por enquanto, Leonardo ainda atua de forma discreta nos bastidores do PSG. A contratação tende a ser efetivada em breve e, enquanto isso, o dirigente não quer entrevistas e nem mesmo ter o nome associado em conversas com empresários feitas pelo clube.

O encontro pessoal com Neymar só deve acontecer no retorno do jogador a Paris no início de julho. O PSG acompanha o camisa 10 à distância no caso envolvendo a acusação de estupro e já se posicionou de forma taxativa ao mercado, sem o interesse em negociá-lo.

Com Leonardo, o PSG amplia a grande equipe brasileira nos bastidores do clube desde a chegada de Neymar. Outro ex-jogador brasileiro Maxwell ocupa o cargo de diretor esportivo. O fisioterapeuta Bruno Mazziotti é chefe do departamento médico. Neste segmento, ainda estão presentes o preparador físico Ricardo Rosa e o fisioterapeuta Rafael Martini.

Leonardo retorna ao PSG após ser demitido pelo Milan ao final da temporada passada. O clube italiano esperava a conquista da vaga para a Liga dos Campeões para seguir confiando no projeto do brasileiro. Mas o time italiano não obteve a vaga.

O campeão mundial pela seleção brasileira em 1994 tem ótima relação com o presidente do PSG, Nasser Al-Khelaifi. Juntos, eles comandaram o clube entre 2011 e 2013. O brasileiro teve participação direta nas contratações de reforços para o elenco, "turbinado" pelos recursos financeiros do grupo do Qatar que se tornou dono do time parisiense. Entre os principais nomes trazidos estão os brasileiros Lucas Moura e Thiago Silva, o sueco Zlatan Ibrahimovic e o argentino Ezequiel Lavezzi.

Quando deixou o clube em 2013, Leonardo alegou que a suspensão de um ano das atividades oficiais imposta pela Liga Francesa foi a razão da saída. O brasileiro foi punido por empurrar o árbitro Alexandre Castro após o jogo entre PSG e Valenciennes. O então dirigente estava descontente com a atuação do trio arbitragem - o zagueiro Thiago Silva havia sido expulso e a partida terminou empatada por 1 a 1.

Mais Futebol