Topo

Seleção Brasileira


Tite se aproxima de elenco e usa até apelidos para evitar erro da Copa-2018

Lucas Figueiredo/CBF
Tite conversa com David Neres durante treino da seleção brasileira Imagem: Lucas Figueiredo/CBF

Danilo Lavieri, Gabriel Carneiro, Marcel Rizzo e Pedro Lopes

Do UOL, em Salvador

2019-06-18T04:00:00

18/06/2019 04h00

A derrota na Copa do Mundo de 2018 ensinou algumas coisas a Tite, que já coloca parte do aprendizado em prática nesta Copa América. Uma delas foi se aproximar mais dos jogadores, algo que vai se repetir no confronto desta terça-feira (18), contra a Venezuela, na Arena Fonte Nova em Salvador.

"O Everton me autorizou a chamá-lo de Cebolinha, está autorizado", disse Tite quando falava sobre a disputa no ataque entre David Neres e Everton, apelidado assim pela semelhança com o personagem de Maurício de Sousa na Turma da Mônica. Essa intimidade com um de seus jovens atacantes do elenco faz parte desse processo de aproximação.

Antes do jogo contra a Bolívia, na estreia da Copa América no dia 14 de junho, Tite brincou com Neres e Eder Militão sobre o fato de o confronto ser no Morumbi, estádio onde atuaram pelo São Paulo. Precisavam jogar bem, já que estavam em casa. A versão Tite brincalhão teve ajuda do experiente zagueiro Miranda, que também passou pelo clube paulista.

"O que eu aprendi é ficar um pouco mais próximo aos atletas. Não dá tempo de fazer igual ao clube. Eu sou mais reservado, mais quieto, mais introvertido. Eu me preparo aqui e não é meu chão estar aqui em cima. Eu quero estar mais próximo, conversar, chamar o Everton de Cebolinha. É assim que o Renato trabalha com ele no Grêmio. Chamar o Neres e brincar, chamar que é a casa dele e vai ter que jogar. Militão também", disse o técnico da seleção.

Tite disse, após a Copa de 2018, que um de seus arrependimentos naquele Mundial, finalizado nas quartas de final com a derrota de 2 a 1 para a Bélgica, foi de demorar a mexer no time, seja de jogo para jogo ou mesmo durante as partidas. Isso é algo que também está em seu radar de aprendizado para esta Copa América.

"Arrependimento é igual a aprendizado. Eu vou continuar aprendendo e errando, constante formação e observação, leitura, o acompanhamento de vocês. E aquele comentário que tiver profundidade, ele vai me tocar mais. É um processo de evolução. Enquanto substituição. É aquilo, deu... Não vai tu e vai tu. E começa jogando", afirmou Tite, sorrindo.

Para enfrentar a Venezuela, ele deve manter a base que venceu a Bolivia na estreia por 3 a 0, com uma pequena alteração: Arthur, recuperado de lesão, na vaga de Fernandinho no meio de campo. Algo que projetava já para o início da competição.

Mais Seleção Brasileira