Topo

Atlético-MG vê Luciano mais distante depois de encaminhar empréstimo

Luciano esteve perto do Atlético-MG, mas situação mudou após pedido de espanhóis - Thiago Ribeiro/AGIF
Luciano esteve perto do Atlético-MG, mas situação mudou após pedido de espanhóis Imagem: Thiago Ribeiro/AGIF

Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

21/06/2019 04h00

O Atlético-MG encaminhou a contratação de Luciano, hoje emprestado ao Fluminense, há uma semana. O atacante receberia cerca de R$ 300 mil por mês na Cidade do Galo. No entanto, uma mudança de pedido do Leganés, da Espanha, alterou o rumo do negócio e afastou o jogador de Belo Horizonte.

A princípio, os mineiros levariam o jogador por empréstimo de um ano e seis meses - até o fim de 2020. Porém, o clube espanhol exigiu que ele saísse em definitivo em uma eventual negociação. A pedida também não era nada convidativa para clubes do Brasil: 2,5 milhões de euros (R$ 10,8 milhões).

A mudança de comportamento dos europeus também fez o Atlético alterar a sua situação no negócio. O Galo não está disposto a pagar para tirá-lo do clube em definitivo, uma vez que Luciano tem 26 anos e ainda não se firmou no futebol brasileiro, mesmo com a boa passagem pelo Corinthians, onde foi campeão nacional em 2015.

Sem dinheiro em caixa, apesar das contratações milionárias de Lucas Hernández, adquirido por três milhões de dólares (R$ 11,52 milhões) no Peñarol, do Uruguai, e Ramón Martínez, comprado por US$ 2,2 milhões (R$ 8,45 milhões) do Guarani, do Paraguai, o Galo busca atletas mais baratos.

Desta forma, o mais provável é que Luciano permaneça no Fluminense, já que tem contrato de empréstimo até o fim de 2019. Quando soube da oferta do Atlético, o atacante pediu para não completar o sétimo jogo do Campeonato Brasileiro pelo clube das Laranjeiras. O receio era não poder se transferir para outra equipe do país.

O Atlético, de Rui Costa, agora, procura outro nome para o setor ofensivo. Róger Guedes é o sonho da diretoria e mantém contato com o presidente Sérgio Sette Câmara e o vice Lásaro Cândido. Todavia, o alto salário e o valor pedido pelo Shandong Luneng, da China, inviabilizam a negociação.