Topo

Futebol

Seleção Brasileira feminina


Seleção feminina será recebida por torcedoras em Guarulhos

Philippe HUGUEN / AFP
Imagem: Philippe HUGUEN / AFP

Ana Carolina Silva

Do UOL, em Le Havre (França)

2019-06-24T17:39:03

24/06/2019 17h39

A seleção brasileira feminina será recebida na madrugada de amanhã (25) por dezenas de fãs, que ocuparão dois ônibus e pretendem passar a noite em espera no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo. Os veículos teriam sido colocados à disposição pela agência TB&CO. A maioria é mulher, mas alguns homens já confirmaram presença, e a ideia é fazer com que as atletas se sintam acolhidas após a eliminação na Copa do Mundo.

O UOL Esporte conversou com as participantes Andreza Delgado e Raquel Lisboa Porto. O ato é inspirado na recepção dada à seleção da Argentina no aeroporto de Ezeiza, em Buenos Aires. As duas nem se conheciam antes de hoje, mas o grupo de "WhatsApp" já tem mais de 190 participantes no momento da publicação deste texto - o número não para de crescer.

"O futebol une povos, seja por amor ou na força do ódio", disse Raquel, que teve de explicar a menção a dois sentimentos tão distintos. Segundo ela, o amor é maior, mas vem acompanhado de indignação. "Amor pelas jogadoras, ódio pela CBF que só apoia os homens", completou.

Andreza tem 23 anos e se mobiliza para que as jogadoras encontrem apoio e calor humano na volta ao Brasil. A ideia é deixar todas animadas, mas Ludmila parece ser o maior "alvo" do carinho da jovem. "Eu queria pegar a Ludmila no colo, porque eu não sabia da história dela. Foi um baque para mim", afirmou, referindo-se ao relato pessoal da atacante, publicado com exclusividade pelo UOL Esporte.

Ela se emocionou ao conversar com a reportagem sobre o que este Mundial representou. "É algo que mexe dentro do nosso próprio jeito de se ver como mulher. Eu sinto que não eram só elas sendo colocadas à prova. Era eu, éramos todas nós. A nossa capacidade como mulheres estava sendo testada", comentou Andreza, que nem foi trabalhar hoje para que pudesse organizar tudo.

"Eu trabalho consertando notebook em uma empresa de TI que se chama 'Infopreta'. Lá, trabalham mulheres e pessoas trans. Elas sabem por que não fui! São muito de boa com meu trabalho externo. É bem tranquilo, porque eu cuido da parte de doações de notebook. Eu ajudo a consertar, e eles vão para doação para estudantes carentes", explicou.

Cada ônibus tem capacidade para 45 pessoas, e, até agora, 52 já "assinaram" a lista para os veículos, que sairão da República, na capital paulista, à meia-noite. Outras cinco pessoas vão diretamente de suas casas para o aeroporto, e o restante organiza um sistema para dividir carros da "Uber" por cada região da cidade. Os participantes sabem que a espera será longa e já começaram a comprar lanches.

A delegação brasileira se dividiu em dois voos para São Paulo. O primeiro tem previsão de pouso às 4h55 (de Brasília), com as jogadoras Tamires, Erika, Cristiane, Raquel, Andressa Alves, Ludmila, Poliana e Leticia Santos. O segundo avião chega às 6h25 e trará Vadão, Geyse, Letícia, Tayla, Mônica, Bárbara e Daiane. As atletas que não estão nesta lista terão outros destinos.

Este é o caso de Marta, Camila e Thaisa, que deixaram a França às 5h30 (horário local, ou seja, 0h30 de Brasília) e seguiram para os Estados Unidos, e Bia Zaneratto e Luana, que partiram para a Coreia do Sul às 7h (no Brasil, às 2h da madrugada).

Mais Seleção Brasileira feminina