Topo

Cruzeiro

Por queda física, Rodriguinho e P. Rocha receberão olhar especial em pausa

Vinnicius Silva/Cruzeiro
Rodriguinho sofreu com a falta de ritmo físico após início do Brasileiro e caiu de rendimento no Cruzeiro Imagem: Vinnicius Silva/Cruzeiro

Enrico Bruno

Do UOL, em Belo Horizonte

2019-06-25T04:00:00

25/06/2019 04h00

Depois de 11 dias de folga, o Cruzeiro voltou aos treinos na tarde de ontem. A partir de agora, a comissão técnica terá pouco mais de duas semanas para recolocar a equipe nos eixos e chegar bem para as decisões de julho pela Copa do Brasil e Libertadores. Nesse período, dois atletas contratados para ajudar o time na busca pelos títulos receberão atenção especial do departamento médico. Rodriguinho e Pedro Rocha apresentaram quedas de rendimento físico que prejudicaram também a parte técnica em campo. Ambos se reapresentaram, mas só realizaram trabalhos internos na Toca da Raposa. Agora, a meta do clube é deixar a dupla em "ponto de bala" para mostrar o melhor futebol possível no segundo semestre.

As situações do meia e do atacante são parecidas na reta final do primeiro semestre. Rodriguinho fez a pré-temporada na Toca da Raposa e voou durante o estadual. Mas a queda de rendimento ficou evidente imediatamente após o título Mineiro, quando passou a enfrentar uma sequência de jogos maior e contra adversários superiores. Além disso, Rodriguinho sofreu com as dores lombares e precisou ser poupado em algumas ocasiões.

"O Rodriguinho vive uma nova realidade. Ele veio de um campeonato (egípcio) onde estava jogando pouco, com as características bem distintas da nossa, e exatamente por isso algumas lesões do passado vieram visitá-lo novamente para incomodar, mas está sendo feito um trabalho individualizado nele exatamente nessa parada. O Charles Costa (fisioterapeuta) montou uma ficha individualizada visando exatamente isso, a gente está usando esse período não só como pausa dos jogos, mas sim para recuperação e ganho específico desses atletas que estavam com seu rendimento comprometido por lesões anteriores já existentes", comenta Sérgio Campolina, médico do Cruzeiro.

Já Pedro Rocha chegou ao clube em abril e foi utilizado pouco tempo depois, já na fase final do Mineiro. Assim como o companheiro, sentiu a queda física em campo e ainda teve alguns problemas musculares antes da pausa no calendário.

"Pelo fato dele não ter feito a pré-temporada conosco nós não o conhecíamos. Os dados que tínhamos dele era do Grêmio, então não servem para embasar, porque ele ficou um ano e meio na Rússia, e muita coisa aconteceu nesse período. Hoje a gente pode dizer que já o conhece, já conseguimos montar aquilo que é o ideal para ele. Imaginamos essa parada e esse programa que vamos estipular para o jogador serão fundamentais para um semestre mais animador", acrescentou o médico.

Quando estavam em alta, Rodriguinho e Pedro Rocha mostraram ao torcedor que são capazes de ajudar muito o Cruzeiro. Hoje, o meia só tem menos gols que o artilheiro Fred (8 contra 16). Para o segundo semestre, a expectativa fica por conta da possível parceria com Thiago Neves, algo que Mano já vem planejando após o recesso. Embora não tenha sido titular absoluto, Pedro Rocha chamou atenção em jogadas individuais e dribles rápido, e já foi importante em partidas decisivas, como nas finais contra o Atlético-MG ou na classificação para as quartas de final da Copa do Brasil, contra o Fluminense. Para a segunda metade do ano, a expectativa sobre o jogador é para que aumente a disputa ou até tome o posto que hoje é de Marquinhos Gabriel na faixa esquerda do gramado.