Topo

Futebol


City faz consulta por João Pedro, do Flu, e pede detalhes de multa

LUCAS MERÇON / FLUMINENSE F.C.
Imagem: LUCAS MERÇON / FLUMINENSE F.C.

Marcus Alves

Colaboração para o UOL, em Lisboa (POR)

2019-06-26T04:00:00

26/06/2019 04h00

O Manchester City procurou os representantes de João Pedro, do Fluminense, para saber as condições em contrato para atravessar o acordo do atacante com o Watford. Negociado desde a última temporada, a sensação tricolor de 17 anos entrou no radar do time comandado por Pep Guardiola depois de surgir com tudo no primeiro semestre de 2019. Em conversa informal, os ingleses esboçaram projeto para o seu futuro, mas, até o momento, não convenceram.

Entre outros motivos, conforme apurado pelo UOL Esporte, porque o atacante não quer ser emprestado ao trocar de clube.

VEJA TAMBÉM:

Mesmo com autorização da federação inglesa para atuar na Premier League, o cenário projetado pelo City inclui o repasse inicial de João Pedro a um de seus parceiros, caso do Girona, da Espanha. Esse foi o destino do volante Douglas Luiz, ex-Vasco, por exemplo.

Com nove gols em 16 jogos nesta temporada, um começo de careira que supera o de Ronaldo Fenômeno e holofotes espalhados por todos os lados, existe a confiança de que o camisa 23 possa desembarcar no Watford e deslanchar rapidamente.

O exemplo citado é o de Richarlison, outro que saiu do Fluminense e que, após somente um ano no Watford, se transferiu para o Everton por 45 milhões de libras (R$ 223 milhões, de acordo com a cotação da época). Os dois jogadores, inclusive, mantêm contato e batem papo sobre processo de adaptação.

Acordo com Watford deve ser honrado

Qualquer contratação pelo clube é decidida em conjunto com outras seis equipes que fazem parte de uma mesma rede ligada ao fundo de investimentos dos Emirados Árabes que o controla.

Além da consulta contratual, os atuais campeões ingleses foram atrás de informações sobre a vida pessoal de João Pedro e gostaram do que ouviram, com referências positivas, especialmente, ao redor de sua mãe Flávia Junqueira. Ela é figura onipresente ao seu lado.

Para desviar a revelação de Xerém e evitar que ela se transferisse para o Watford a partir do ano que vem, o City teria de desembolsar 20 milhões de euros (R$ 85 milhões) à vista em cláusula compensatória e depois negociar um novo acordo diretamente com o Fluminense.

O Barcelona foi outro que, através de seu representante na América do Sul, André Cury, fez contato recentemente, mas também não avançou.

O panorama atual descrito pelo entorno de João Pedro é de que o acordo com o Watford deverá ser honrado. No início do mês, acompanhados de seus empresários, a sua mãe e seu padrasto Sebastião Carlos estiveram em Londres para conhecer a estrutura do clube, visitaram o estádio Vicarage Road e foram recebidos pelo dono do time, Gino Pozzo.

A presença do magnata italiano foi vista como uma mostra de prestígio. No dia a dia, os atletas não costumam encontrá-lo mais de uma vez por ano.

Pozzo destacou a sua experiência com jovens brasileiros através da Udinese, que pertence à sua família desde os anos 80 e possui o craque Zico entre seus maiores ídolos. Na passagem pelo Watford, Richarlison teve auxílio fundamental de um funcionário também italiano, Lorenzo, que fala português e estava sempre pronto para resolver qualquer questão.

Ao todo, o Watford pagou 2,5 milhões de euros (R$ 10,5 milhões na cotação atual) por João Pedro, em acordo que pode chegar a 10 milhões de euros (R$ 42 milhões) com bonificações.

Mais Futebol