Topo

Magrão cobra R$ 5 milhões do Sport na Justiça e pede quebra de contrato

Williams Aguiar/Sport Club do Recife
Imagem: Williams Aguiar/Sport Club do Recife

Marcello De Vico

Do UOL, em Santos (SP)

04/07/2019 17h17

O goleiro Magrão cobra mais de R$ 5 milhões do Sport na Justiça do Trabalho, entre salários, direitos de imagem, férias, 13º e FGTS. Ele ainda pede a quebra de contrato com o clube rubro-negro - que vai até o fim do ano.

O UOL Esporte teve acesso a parte do processo, que corria em segredo de justiça. Parte dele, porém, foi aberta hoje - após a Justiça atender ao pedido do Sport - e revelou detalhes da disputa judicial entre goleiro e clube.

"Decido acolher o pedido do reclamado [Sport] para proceder à retirada do sigilo da peça iniciale dos documentos que a acompanham, com exceção dos documentos bancários do autor", diz o texto da juíza Maria Carla Dourado.

A defesa de Magrão ainda pede que a rescisão do vínculo seja concedida antes da sentença. O clube rubro-negro tem até o dia 19 de julho para responder sobre essa questão. Segundo apurou a reportagem, o goleiro ainda não definiu se dará sequência à carreira.

Procurado pela reportagem, o Sport disse que não irá se pronunciar no momento.

Magrão ingressou na Justiça do Trabalho há nove dias, depois de 'sumir' e não se apresentar ao clube para a intertemporada assim como o restante do elenco.

Ídolo na Ilha do Retiro, Magrão está com 42 anos e tem contrato até o fim do ano. O goleiro perdeu a posição no começo do ano após algumas falhas e não vem sendo o titular de Guto Ferreira na Série B. Em 2019, ele atuou em apenas sete jogos - sendo um pela Copa do Brasil e seis pelo Campeonato Pernambucano.

Com o título estadual no começo do ano, Magrão somou a sua décima conquista e se tornou o maior vencedor da história do Sport.