Topo

Esporte


De Bolsonaro a emprego de técnico: o que motiva Argentina de Messi e Chile

Messi em ação durante jogo da Argentina: craque tem revanche com o Chile - REUTERS/Pilar Olivares
Messi em ação durante jogo da Argentina: craque tem revanche com o Chile Imagem: REUTERS/Pilar Olivares

Diego Salgado, José Edgar de Matos e José Eduardo Martins

Do UOL, em São Paulo

06/07/2019 04h00

No futebol, é tradicional as equipes encararem com uma certa dose de menosprezo em relação à disputa de terceiro lugar nas competições. Por isso, quando a Argentina perdeu do Brasil e o Chile foi eliminado pelo Peru, nas semifinais da Copa América, logo se imaginou que o duelo entre o time de Lionel Messi e os bicampeões hoje (6), a partir das 16h, na Arena Corinthians, seria em clima de amistoso. Porém, por uma série de motivos, os times estão motivados para entrar em campo.

Pelo lado dos argentinos, ficou o desejo de mostrar que houve injustiça na fase anterior. A Associação do Futebol Argentino (AFA) entrou em conflito com a organização do torneio e com os donos da casa. A entidade enviou duas cartas à Conmebol para reclamar da atuação da arbitragem do equatoriano Roddy Zambrano na derrota por 2 a 0, e houve questionamento sobre o presidente Jair Bolsonaro, por usar o confronto para fazer política.

O sentimento de revanche também está presente. Nas finais duas últimas edições da Copa América, no Chile e nos Estados Unidos, os chilenos derrotaram os argentinos na disputa por pênaltis e ficaram com o título. Tal fato fez com que a rivalidade, que já era grande, entre os dois países ficasse ainda mais acirrada. A geração de Messi e companhia ganhou a fama de refugar na hora de decidir e não conquistar troféus.

Para os chilenos, um triunfo sobre a poderosa Argentina também pode mostrar a supremacia deste grupo, que elevou o status do país no continente. Além disso, a Copa América deste ano serviu para que que jogadores que não estavam em alta na última temporada, como Alexis Sánchez, ganharem ritmo e retomarem a carreira. Por causa de uma sequência de lesões, muitos achavam até que o atacante não iria defender a seleção para dar sequência ao trabalho de recuperação física no Manchester United, da Inglaterra.

Por fim, mas não menos importante, uma vitória hoje serve para que um dos treinadores ganhe moral para a disputa das Eliminatórias da Copa do Mundo do Qatar. Reinaldo, Rueda, do Chile, e Lionel Scaloni, da Argentina, começaram o torneio continental sob críticas. Por isso, um triunfo contundente pode dar tranquilidade para os próximos meses de trabalho.

"Quando passa o tempo, você percebe que o jogo é importante, tem a competição... Não é a mesma coisa ser terceiro ou quarto. Vamos colocar o que temos de melhor, mudar o que achar preciso, porque queremos terminar da melhor forma", disse Rueda.

"Todos estão motivados. O dia depois da derrota foi longo, de engolir a raiva, mas precisamos nos levantar, ter vontade. Todos estão assim. É importante deixar a imagem que o time deixou nos últimos jogos, para mostrar os rumos que temos de seguir. Eles estão com vontade de fazer um bom jogo", completou Scaloni.

FICHA TÉCNICA

ARGENTINA x CHILE

Data: 6 de julho de 2019, sábado
Horário: 16h (de Brasília)
Competição: Copa América (disputa do terceiro lugar)
Local: Arena Corinthians, em São Paulo (SP)
Árbitro: Mario Diaz de Vivar (Paraguai)
Auxiliares: Eduardo Cardozo e Dario Gaona (ambos do Paraguai)
VAR: Diego Haro (Peru)

ARGENTINA: Armani; Foyth, Pezzella, Otamendi e Tagliafico; Paredes, De Paul e Lo Celso; Messi, Agüero e Dybala. Técnico: Lionel Scaloni

CHILE: Arias; Isla, Medel, Maripán e Beausejour; Pulgar, Vidal, Aránguiz e Fuenzalida; Sánchez e Eduardo Vargas. Técnico: Reinaldo Rueda

Mais Esporte