Topo

Futebol


O que mudou pós-Mineiro: Cruzeiro luta contra crise e Galo quer manter fase

Cruzeiro x Atlético-MG na final do Campeonato Mineiro 2019 - Vinnicius Silva/Cruzeiro
Cruzeiro x Atlético-MG na final do Campeonato Mineiro 2019 Imagem: Vinnicius Silva/Cruzeiro

Enrico Bruno e Thiago Fernandes

Do UOL, em Belo Horizonte

11/07/2019 04h00

82 dias se passaram desde que Cruzeiro e Atlético-MG se enfrentaram pela última vez, decidindo o título mineiro de 2019, que ficou com a equipe celeste. Apesar de dois jogos equilibrados, os rivais se encontraram em situações bastantes distintas, a começar por uma Raposa que voava no início da temporada diante de um Galo que andava de mal a pior.

Agora, os papeis se invertem. Enquanto o Cruzeiro tenta impedir que a crise externa atrapalhe o time dentro de campo, o Atlético quer manter o bom momento que vinha construindo antes do recesso no calendário.

Há três meses, o Cruzeiro era uma das sensações do Brasil. Melhor time da Libertadores, a equipe atropelava os adversários e chegou invicto à final mineira, sofrendo apenas sete gols nos primeiros 18 jogos. Na final jogada no Horto, o time quase perdeu o título estadual, mas Fred marcou de pênalti a pouco mais de dez minutos do fim, garantindo a taça.

Apesar de toda a pinta que seguiria em alta, o Cruzeiro caiu de produção dentro e fora de campo após ser campeão. Com adversários mais complicados no Brasileirão, o time perdeu sua primeira partida no ano e hoje já não vence há nove compromissos oficiais. Para piorar a situação, o clube atravessa uma turbulência nos bastidores há mais de um mês. Seus principais dirigentes são investigados por denúncias sobre falsidade ideológica, falsificação de documentos e lavagem de dinheiro. Na noite de ontem, Itair Machado, vice-presidente de futebol, teve seu cargo afastado por determinação da justiça mineira.

Financeiramente, o Cruzeiro também passa por dificuldades, sendo preciso se desfazer de jogadores como Murilo e Raniel para arcar com as despesas de sua folha salarial.

Apesar de um clássico carregar ingredientes como a imprevisibilidade, era difícil acreditar no título atleticano em abril. A taça realmente não veio, mas a equipe mostrou um futebol que excedeu bastante as expectativas. Na semana anterior, o Galo havia demitido Levir Culpi depois de uma goleada na Libertadores que praticamente deu fim às chances de classificação. A "bomba" caiu no colo de Rodrigo Santana, antes interino e hoje treinador, que conseguiu melhorar a equipe em poucos dias a ponto de lutar de igual para igual contra o rival celeste.

Somente quase dois meses depois daquela final é que Rodrigo Santana foi efetivado pela diretoria alvinegra. Apresentando evoluções, o time conseguiu se manter vivo na Copa do Brasil e se fortaleceu na disputa da Copa Sul-Americana. Em quinto no Brasileirão, entrou para o recesso "lamentando" a pausa no calendário.

No entanto, fortaleceu o grupo no período. Três atletas foram incorporados: Rómulo Otero, Lucas Hernández e Ramón Martínez. A chegada dos reforços aumenta a expectativa de Rodrigo Santana em relação às atuações da equipe:

"O Otero é um grande reforço. A torcida já conhece. É um jogador de muito improviso, que tem uma bola parada maravilhosa, que bate com o pé direito e esquerdo. É uma peça fundamental para gente. O Lucas chegou muito bem pela esquerda. Jogador experiente, acostumado a jogos grandes e está muito seguro. E o Ramón com muita força e muito desarme. São peças que chegaram para agregar, a gente sabe que a sequência é pesada e todo mundo vai ter suas oportunidades", disse.

"A gente tem uma ideia, desde quando iniciou a intertemporada, de dar a mesma carga de treino para todos. Como o elenco é grande, temos que capacitar a todos, o mesmo tipo de treino e conteúdo que a gente passar. É como se a gente tivesse três times, e o 'A' tivesse que treinar o mesmo tanto que o 'C'. A nossa ideia para esses dois jogos é para o time titular e reserva jogar 70 minutos cada um", acrescentou.

CRUZEIRO x ATLÉTICO-MG

Motivo: quartas de final da Copa do Brasil (ida)
Data/Hora: 11/07/2019, às 20h (de Brasília)
Local: Mineirão, em Belo Horizonte
Árbitro: Raphael Claus (SP)
Assistentes: Marcelo Van Gasse (SP) e Danilo Simon Manis (SP)
VAR: Alício Pena Júnior (BR)

CRUZEIRO: Fábio; Lucas Romero, Léo, Dedé e Egídio; Henrique, Ariel Cabral (Jadson); Thiago Neves, Robinho e Marquinhos Gabriel (Pedro Rocha); Fred.
Técnico: Mano Menezes.

ATLÉTICO-MG: Victor; Patric, Réver, Igor Rabello e Fábio Santos; Zé Welison (Adilson), Elias; Cazares, Chará, Luan; Alerrandro.
Técnico: Rodrigo Santana.

Mais Futebol