Topo

Após desafio do presidente, Bahia chega a 40 mil sócios em dia de decisão

Maior público do Bahia na Fonte Nova em 2019, registrado no Ba-Vi da Copa do Nordeste, deve ser superado - Felipe Oliveira / EC Bahia
Maior público do Bahia na Fonte Nova em 2019, registrado no Ba-Vi da Copa do Nordeste, deve ser superado Imagem: Felipe Oliveira / EC Bahia

Do UOL, em Santos (SP)

17/07/2019 15h04

A noite de hoje em Salvador promete. Bahia e Grêmio se enfrentam às 19h15 (de Brasília) na Fonte Nova, no jogo de volta das quartas de final da Copa do Brasil - o duelo de ida terminou empatado por 1 a 1. Os ingressos já estão esgotados e a expectativa é que 45 mil torcedores compareçam à Arena para apoiar o time em busca da inédita vaga nas semifinais do torneio.

Além de lotar a Fonte Nova, a torcida do Bahia também fez bonito fora de campo. Os tricolores cumpriram o desafio lançado pelo presidente Guilherme Bellintani após o jogo em Porto Alegre e, na manhã de hoje, alcançaram a marca de 40 mil sócios. O clube comemorou o número nas redes sociais com um vídeo especial dedicado aos torcedores das mais diversas categorias.

Com isso, o Bahia quase triplica o número de sócios em um ano e meio. Em janeiro de 2018, o clube tinha 15 mil associados. Já em 21 de janeiro deste ano, a marca era de 25 mil sócios.

Recorde de público?

Com todos os ingressos vendidos, o Bahia vive a expectativa de superar até o recorde de público da Arena Fonte Nova em jogos de clubes, que é de 45.378 pagantes, na decisão da Copa do Nordeste de 2018, contra o Sampaio Corrêa. Ao menos, é praticamente certo que o maior público de 2019 na Arena (43.393 pagantes), registrado no Ba-Vi disputado em fevereiro, pela Copa do Nordeste, fique para trás.

"Coisa boa. Mais de 40 mil. Lindo ouvir isso. Mais 40 mil vozes, corpos e alma ajudando. Isso motiva o profissional a estar cada dia trabalhando para dar alegria ao torcedor", disse o técnico Roger Machado, que analisou ainda o fato de ter comandado o Grêmio, rival do Bahia.

"Já se passaram quase três anos que Renato [Gaúcho] assumiu o Grêmio. O time tem a cara dele. Uma base anterior, com alguns jogadores remanescentes. Um grupo vitorioso, nos últimos anos conquistou muito. Não me dá vantagem. A vantagem que acredito ter é poder trabalhar bem os nossos atletas no dia a dia, poder passar confiança para eles, passar a notícia que teremos 40 mil torcedores nos incentivando, saber que podemos marcar história. Isso para é o que pode nos dar alguma vantagem no confronto", acrescentou.