Topo
Comprar ingresso
Comprar ingresso

Clayson lamenta empate e diz que VAR "está ficando feio" por demora

Do UOL, em São Paulo

21/07/2019 18h16

Clayson tinha tudo para ser o herói da terceira vitória seguida do Corinthians no Campeonato Brasileiro. O atacante abriu o placar contra o Flamengo em cobrança de pênalti e fazia uma boa partida, até que Gabigol deixou tudo igual já nos minutos finais na Arena Corinthians: 1 a 1. Após longa revisão da arbitragem de vídeo, de quase seis minutos, ficou confirmado que o flamenguista estava em condição legal. Clayson reconheceu que a marcação foi correta, mas mostrou incômodo com o tempo perdido para a consulta do lance.

$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2019/vitinho-protege-a-bola-marcado-de-perto-por-danilo-avelar-1563740762146.vm') - Daniel Vorley/AGIF
$escape.getH()uolbr_geraModulos('embed-foto','/2019/vitinho-protege-a-bola-marcado-de-perto-por-danilo-avelar-1563740762146.vm')
Imagem: Daniel Vorley/AGIF

"Está difícil, não tem nem mais o que falar. Se eles mesmos não perceberem que (o VAR) está demorando demais... Está ficando feio", desabafou o corintiano na saída de campo em Itaquera: "Foi um balde de água fira, a gente estava melhor no segundo tempo. Jogo grande é assim. Cássio fez uma grande defesa, infelizmente sobrou para o Gabigol na mesma linha".

Além dos quase seis minutos na jogada do gol do Flamengo, o VAR ainda fez com que a partida parasse para a confirmação do pênalti para o Corinthians e da expulsão de Berrío nos acréscimos. No fim das contas, a partida terminou aos 55 minutos. Para o lateral-direito Fagner, era necessário dar mais tempo de acréscimo.

"É destacar nossa atuação. Foi contra uma equipe que provavelmente vai brigar lá em cima. Lance difícil, mas tem que ser mais rápido, você fica muito tempo parado. VAR no pênalti, no gol do Flamengo, na expulsão e a gente não sabe se o acréscimo foi pouco", observou.

O técnico Fábio Carille foi mais ponderado sobre a demora para checagem de lances no VAR: "Temos que entender que ainda é o primeiro ano, e que as coisas vão se encaixando porque é um momento de adaptação. Passei por isso na Arábia Saudita, e é preciso ter calma".