Topo

Marinho explica "minimíssil aleatório" e elogia "maluco do bem" Sampaoli

Do UOL, em São Paulo

22/07/2019 14h11

O atacante Marinho marcou o gol da vitória do Santos contra o Botafogo no que chamou de "minimíssil aleatório". Hoje, em entrevista ao "Redação SporTV", o jogador contou a origem da expressão que viralizou após a partida válida pelo Campeonato Brasileiro e disse que costuma treinar chutes de longa distância como o que acertou no ângulo de Gatito Fernandes.

"Eu brincava com um amigo meu que jogava no Ceará em 2015, com o Wesley, que não tínhamos aquela qualidade, a 'tiradinha' do Pet (Petkovic, ex-jogador que é comentarista do 'SporTV')... Era só no minimíssil, só porrada. Tem hora que é para dar porrada e hora de dar aquela chapada. Ontem era a única opção que eu tinha, uma coisa que eu sempre faço nos treinamentos e procuro levar para o jogo. Soltei o minimíssil e fui feliz", afirmou.

Durante a entrevista, Marinho também fez elogios a Jorge Sampaoli, a quem chamou de "maluco no bom sentido" ao ser questionado diretamente sobre as excentricidades do treinador que assumiu o clube no começo deste ano.

"Esse cara é um maluco no bom sentido. A gente voltou do jogo e chegou no hotel para almoçar porque depois íamos viajar. Só que demorei mais porque eu fui para o antidoping. Quando eu estou passando na praia, o Sampaoli está caminhando sozinho na calçada com o fone no ouvido. Esse cara não existe, é uma figuraça. O trabalho dele em campo é fantástico. Conhecia o trabalho dele no Chile pela Copa América. Esperava isso dele aqui, e hoje tenho prazer trabalhar com ele aqui. É um cara muito competente", disse.

Marinho ainda destacou que Sampaoli sempre exige um futebol bem jogado, independente do resultado. Ontem, por exemplo, ele cobrou dos jogadores uma melhor atuação depois do 1 a 0 sobre o Botafogo, mas já fez elogios depois de derrotas.

"O Sampaoli é um cara que, independente de ganhar ou perder, ele gosta de ver o time jogar para frente. Não tem que ficar tocando demais, tem que ter objetivo. Ontem a gente venceu, mas ele não ficou satisfeito porque ele acreditava que a gente poderia jogar melhor. E tem jogo que a gente vai perder e ele vai elogiar pelo que jogamos, pela postura. E ele fica cobrando nos treinamentos o tempo todo. Tem treinamentos que ele fica chateado, fala que tem que treinar para vencer, não treinar por treinar. Como diz, ele não veio para ensinar, mas para que vocês desfrutem o futebol", explicou.

Marinho ainda citou Sampaoli ao comentar sobre a qualidade ruim dos gramados brasileiros. Ele disse que o Santos não vai mudar seu estilo de jogo por causa de campos que não estejam nas melhores condições.

"Claro que interfere. E não é desculpinha de jogador brasileiro... O Messi veio aqui e falou do gramado, o James e o Cavani falaram... por que o brasileiro não pode falar? Os gramados do Brasil hoje são péssimos, essa é a verdade. Mas não vou falar que não vencemos por causa do gramado, temos que jogar independente se for na lama. Se o Sampaoli dizer que temos que sair jogando na lama, vamos sair jogando", disse