Com final incrível, Cardinals vence Packers e avança para a final da NFC

Na partida com um dos finais mais espetaculares da história da NFL, o Arizona Cardinals, jogando em casa, derrotou, na madrugada deste domingo, o Green Bay Packers por 26 a 20 e se classificou para a final da NFC contra o vencedor de Carolina Panthers e Seattle Seahawks, que se enfrentam na tarde deste domingo.

O Arizona fez a sua torcida explodir quando o wide receiver Larry Fitzgerald, um dos melhores da temporada, correu para 75 jardas e, em seguida, correu para mais 5 jardas e marcou o touchdown que garantiu a equipe na final.

Porém, foi do Green Bay a jogada mais espetacular não só da partida como também de toda a temporada. Nela, o quarterback Aaron Rogers mostrou os motivos que o colocam como um dos maiores: extrema frieza e notável eficácia sob pressão. Rogers  fazia partida apagada e o time perdia por 20 a 13 quando restavam pouco mais de 50 segundos para o fim. Numa quarta descida para 20 jardas, com o Packers na jarda 4 de sua defesa, o craque recebeu a bola dentro do seu próprio gol e  acertou um passe de 60 jardas para Jeff Janis. Não bastasse isso, com o cronômetro zerando, acertou uma segunda Ave-Maria seguida, esta de 41 jardas, também para Janis empatar o jogo em 20 a 20, levando a partida para a prorrogação deixando todo o estádio boquiaberto.

Do Arizona, destaque para Larry Fitzgerald. Somou 175 jardas em oito recepções. E fez o touchdown que selou a classificação. Seu companheiro de posição, Michael Floyd , foi bem eficaz. Pegou apenas três passes, porém fez 2 touchdowns. O quarterback Carson Palmer teve números expressivos: 349 jardas, acertando 25 dos 41 passes que tentou, 3 touchdowns e 2 interceptações. De quebra, acabou com a sua maldição particular. Ele, que tem 36 anos e longa carreira na NFL, jamais havia vencido um jogo de pós-temporada.

No Green Bay, o quarterback Aaron Rogers terminou com 24 passes certos em 44 tentativas, 261 jardas, 2 touchdowns e uma interceptação. Jeff Janis teve 7 recepções que somadas chegaram a 145 jardas. E foi dele os 2 Tds da equipe do Wisconsin.

Defesas brilham até o terceiro quarto

?

Os times nada fizeram nos seus primeiros ataques. Ninguém conseguiu avançar mais do que uma jarda e devolveram a bola. Porém, em sua segunda campanha, o Arizona Cardinals chegou ao TD. Depois de um punt ruim de 37 jadas e um bom retorno, o quarterback Carson Palmer já começou a campanha no campo de ataque e. após 11 jogadas - e um fumble (bola perdida) recuperado - o quarterback encontrou Michael Floyd num passe de oito jardas para fazer 7 a 0.

Depois disso, as defesas conseguiram segurar bem os ataques, sendo que apenas o Green Bay chegou aos pontos, com dois field goals no segundo quarto, fechando o primeiro tempo um ponto atrás do Cardinals, 7 a 6. O lance mais emocionante deste quarto ocorreu pouco antes do primeiro field goal do Packers. Aaron Rogers tentou um passe na end zone que foi interceptado por Patrick Peterson. Este correu 100 jardas para fazer um touchdown. Só que a arbitragem marcou uma falta no lance e a corrida impressionante e que seria a mais longa do jogo foi  anulada.

O segundo tempo começou com as duas defesas brilhando. No primeiro ataque do Packers, Aaron Rogers tentou um lançamento que foi interceptado por  Johnson. O Arizona retomou a bola, mas Carson Palmer logo teve um passe interceptado por Ha-Ha Clinton Dix.

Com a posse de bola, mas Rogers pouco inspirado, a boa era deixar a bola para o fortíssimo running back Eddie Lacy. O camisa 27 em duas jogadas fez mais do que todo o ataque o Packers juntos até então. Na primeira, correu 14 jardas. Em seguida, correu  61 jardas e deixou o time a oito do touchdown, o que acabou ocorrendo quando Rogers, depois de escapar da marcação e ficar longos seis segundos tentando achar um companheiro bem colocado, encontrou Jeff Janis. O Green Bay virava o placar.

Último quarto de tirar o fôlego

O Arizona passou a usar muito o recebedor Larry Fitzgerald e chegou próximo da virada no ínício do último quarto, mas Palmer errou um passe que acabou interceptado Randall dentro da end zone do Green Bay.

Depois, já na reta final da partida e novamente com a posse da bola, o Arizona gastou bastante tempo, sete minutos, e terminou com um touchdown de muita sorte. Na marca das dez jardas, Palmer deu passe bem ruim para Fitzgerald. Este chegou a tocar na bola, mas não a pegou. Só que o desvio acabou sendo uma ajeitada perfeita para Floyd encaixar e fazer o seu segundo TD na partida.

Naquele momento, restando quatro minutos para o fim, o Arizona revirava o placar: 17 a 13. Com isso, apenas um TD salvaria o Packers. Rogers mais uma vez não avançou nada. Pior, errou o passe na quarta descida e fez o Arizona começar seu ataque na área de field goal. Assim, o time da casa gastou o tempo e chutou para levar o placar a 20 a 13 e deixar a torcida comemorando.

Mas ainda restava um minuto, o Green Bay tem Aaron Rogers e ele foi capaz da jogada sensacional citada no início da matéria, uma campanha na qual em dois passes ele ganhou 96 jardas e engrossou o seu currículo de milagres (para lembrar: nesta temporada, na semana, 13 ele acertara um passe de 60 jardas contra o Detroit Lions com o cronômetro zerado e levou o time à vitória).

Com o jogo na prorrogação, a sorte sorriu para o Arizona. Primeiro na moedinha, pois o time da casa ficou com o primeiro ataque. Depois, na jogada inpidual fantástica de Larry Fitzgerald, que encaixou um passe ruim de Palmer e partiu como louco, passando por vários marcadores e só sendo parado na marca de cinco jardas. Em seguida, novo passe para o camisa 11 entrar na end zone e definir a prorrogação a favor do Arizona, o primeiro finalista da NFC.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos