Presidente do Fla cita crise no país, mas espera fechar novos patrocínios

  • Pedro Ivo Almeida/UOL

A crise financeira que atinge o Brasil já dá reflexos no futebol, mais especificamente nos investimentos. Em meio a dificuldades financeiras, algumas empresas que pensavam em injetar dinheiro em clubes, neste ano, recuaram. O Botafogo, por exemplo, ainda busca um patrocinador master para a temporada, e admite que o cenário é complicado. O Flamengo, porém, ainda está otimista de conseguir preencher todos os espaços do uniforme com parcerias. 

Três setores diferentes da camisa rubro-negra ficaram vagos de dezembro até hoje. A Viton 44 deixou de estampar as mangas e a parte superior das costas. Já a Jeep deixou vaga a área inferior das costas. No entanto, o discurso na Gávea é de confiança. O presidente Eduardo Bandeira de Mello acredita que a crise não será empecilho para o Flamengo.

- Há dificuldades do país, mas estamos confiantes de que vamos preencher todos os espaços do uniforme - disse o mandatário.

De acordo com o orçamento aprovado no fim do ano passado, a ideia no Flamengo é conseguir R$ 9 milhões para as costas e R$ 8 milhões para as mangas com patrocinadores.

A diretoria do Flamengo segue em busca de mais parceiros, já que os contratos com a Viton 44 (costas e manga) e a Jeep (barra traseira) se encerraram no fim de dezembro. O clube ainda negocia renovação com a montadora.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos