Quenianas suspensas por doping acusam federação de pedir suborno

Suspensas por quatro anos após terem sido pegas no exame antidoping no Mundial de Atletismo de 2015, Sakari e Manunga acusaram a federação de atletismo do Quênia de pedir suborno para diminuir suspensões por doping.

As atletas alegaram que o CEO da Athletics Kenya, federação de atletismo do país, Isaac Mwangi, pediu o valor de 24 mil dólares (R$ 93 mil) a cada uma delas para diminuir as punições, segundo informações da Agência AP.

As atletas não efetuaram o pagamento,  afirmando que não tinham condições de obterem o valor em questão. Sem o pagamento, as duas acabaram suspensas. Ainda de acordo com as quenianas, a acusação não foi feita antes, no momento do  recebimento da notícia, em novembro do ano passado, porque, na ocasião, não tinham provas e temiam represálias da federação.

Desta vez, no entanto, Sakari e Manunga   estão dispostas a testemunhar sobre a acusação de suborno ao comitê de ética da Federação Internacional de Atletismo (Iaaf), que já investiga o envolvimento da federação queniana com subornos para redução de suspensões por doping. Inclusive, o presidente e o vice da federação do país, Isaiah Kiplagat e David Okeyo, além do tesoureiro Joseph Kinyua, estão suspensos por essa mesma suspeita.

Procurado, o CEO assegurou que a acusação das esportistas não passa de uma ''brincadeira'', além de ter negado qualquer encontro com as atletas. 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos