Inspirado em ídolo, Balbuena explica não a rival: 'Eu preferi o Corinthians'

Fabián Balbuena foi apresentado como novo reforço do Corinthians na tarde desta sexta-feira e já chegou falando grosso ao CT Joaquim Grava. Aos 24 anos, o zagueiro paraguaio é o décimo reforço contratado pelo clube para 2016, e teve que negar uma investida do rival São Paulo para poder vestir a número 4 do Timão, valorizada por seu ídolo - e conterrâneo - Carlos Gamarra, jogador do clube no fim dos anos 90. Ao lado do diretor adjunto de futebol do clube, Eduardo Ferreira, que foi justamente quem tornou público o interesse do rival, Balbuena explicou a opção pelo Corinthians pelos próximos três anos.

- A pergunta que você está fazendo eu vou responder com uma só frase: eu preferi jogar no Corinthians - sintetizou, antes de completar.

- Muitos fatores pesaram para eu jogar no Corinthians, inclusive o trabalho de Tite, um treinador conhecido mundialmente. Agora estou à disposição para ajudar a equipe. Mas não quero mais falar desse assunto de São Paulo. Preferi, dei minha palavra ao Corinthians, e minha palavra é o que conta. Hoje estou aqui e vou defender essa camisa às últimas consequências - disse Balbuena.

O nome do paraguaio surgiu a partir de uma indicação da comissão técnica após a venda de Gil para o Shandong Luneng, da China. Após a recomendação, o departamento científico do clube levantou estatísticas detalhadas sobre Balbuena e a diretoria se movimentou para acertar a contração por cerca de R$ 6 milhões pelos 100% dos direitos econômicos. Durante a negociação, o São Paulo tentou atravessar e foi duramente criticado por Eduardo Ferreira.

Agora jogador do Timão, o paraguaio terá que disputar posição com os titulares Felipe e Yago, além de Vilson e Pedro Henrique, em busca de uma oportunidade na equipe.

- Muitos jogadores do ano passado saíram, mas há contratações, e jogadores que podem assumir essa responsabilidade. Estou aqui para isso, para dar 100% e buscar minha chance. Tem muita gente boa e eu espero somar à equipe. Os jogadores não jogam mais com nome, ninguém leva nome em consideração. Preciso mostrar nos treinamentos que posso ser titular do Corinthians, até porque ainda não me considero um atleta experiente, e sim alguém que trabalha, treina e se sacrifica para ser melhor. Vou trabalhar duro para defender até a morte a camisa do Corinthians e ajudar o Tite - sentenciou Balbuena, de fala muito acelerada, e que mostrou ainda não estar adaptado à língua portuguesa.

O paraguaio, que chegou à sala de imprensa do CT Joaquim Grava carregando uma garrafa térmica e uma cuia de tereré, bebida típica de seu país, tem chances de estrear pelo Corinthians neste domingo. Quatro dias depois da estreia na Copa Libertadores, o técnico Tite deve preservar os titular no compromisso diante da Ferroviária, na Arena da Fonte Luminosa.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos