Candidato à presidência na Fifa, príncipe pede adiamento das eleições

Um dos cinco candidatos à presidência da Fifa, o príncipe jordaniano Ali bin al Hussein recorreu ao Tribunal Arbitral do Esporte (TAS) pedindo o adiamento do pleito, marcado para esta sexta-feira, dia 26 de fevereiro. A revelação foi de seus advogados, segundo a agência de notícias "AFP".

O príncipe entrou com recurso após a entidade máxima do futebol rejeitar a instalação de cabines de votação transparentes, de acordo com um comunicado pulgado pelos advogados Renaud Semerdjian e Francis Szpiner.

- A Fifa se opôs à nossa tentativa de acelerar o processo para que essas questões fossem resolvidas antes de sexta-feira. Portanto, era natural que o príncipe fosse ao TAS - informou o comunicado.

O advogado Renaud Semerdjian disse à "AFP" que a instalação de cabines transparentes evitaria que alguns dirigentes não tirassem fotos de seus votos.

- Apenas uma cabine transparente pode provar que cada eleitor está seguindo seu coração e sua consciência, de que votos não serão forçados, evitando fotos das laudas de votação

Em resposta ao pedido do príncipe jordaniano, a Fifa anunciou que câmeras fotográficas e celulares estão proibidos nas cabines.

- Esta atitude é incompreensível, exceto se desejam obstinar-se em não garantir a transparência das operações de votação e a sinceridade do escrutínio - informaram os advogados.

O TAS informou que vai analisar o recurso de Ali bin al Hussein de forma 'urgente'.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos