Goleiro reserva entra no fogo e garante título do turno para o Papão

Debaixo de uma tempestade, o Paysandu sagrou-se na tarde deste domingo o campeão da Taça Cidade de Belém (1º Turno do Paraense) ao derrotar, no Mangueirão, o arquirrival Remo nos pênaltis, pelo placar de 4 a 1, após 1 a 1 no tempo normal. Nos 90 minutos, Eduardo Ramos foi algoz e vilão. No primeiro tempo o principal astro remista desviou o chute de Marcelo Costa e matou o seu goleiro Fernando Henrique no gol  do Paysandu. Na etapa final, fez de pênalti o gol do empate.

Na penalidades, Leandro Cearense, Bruno Veiga, Augusto Recife e Rafael marcaram para o Paysandu. Eduardo Ramos marcou para o Remo. Léo Paraíba e Ciro tiveram seus chute defendido pelo goleiro Marcão. 

E o goleiro acabou sendo o grande protagonista e herói. Marcão entrou no fogo - assim que Emerson foi expulso por fazer o pênalti aos 35 minutos. O arqueiro entrou e levou o gol na cobrança de Eduardo Ramos. Mas depois só brilhou.  Ainda frio fez ótima defesa no finzinho e, nos pênaltis, defendeu duas cobranças. Com um detalhe: foi a estreia do goleiro com a camisa do Paysandu.

- Isso é que é  destino. Era dificil jogar, o Emerson estava bem demais. Mas a oportunidade aparece quando menos se espera. Felizmente venho trabalhando fortemente e fui feliz.  É um sonho pra mim  ver a torcida gritando o meu nome - disse Marcão. 

Com o título, o Papão levou o caneco, garantiu presença na final do Paraense e também uma vaga na Copa do Brasil de 2017.

Vale lembrar que este foi o  734º Re-Pa da história (é o clássico mais jogado do mundo). O Remo  leva vantagem, com 256 vitórias e 229 derrotas.

O Jogo

O clássico foi equilibrado e tenso. O árbitro distribuiu 12 cartões amarelos, sendo que o Paysandu recebeu oito, além do vermelho do goleiro Emerson.

O Mangueirão teve a capacidade reduzida (apenas 25 mil ingressos  colocados à venda) e o motivo foi a série de obras no entorno do estádio. Além disso, a partida foi antecipada para o horário das 15h para economia de energia. Mas neste caso não surtiu muito efeito, pois o tempo muito nublado e a fortíssima chuva acabaram obrigando o uso dos refletores do Mangueirão desde o primeiro tempo.

O jogo, que perdeu um pouco da qualidade técnica por causa da chuva, foi muito equilibrado no primeiro tempo. As equipes tiveram uma grande chance, cada. Aos 25 minutos, o Remo quase marcou quando Levy chutou de fora da área, obrigando o goleiro Emerson a fazer ótima defesa parcial. O atacante Ciro (ex-Fluminense e Sport) ficou com a sobra e chutou. Mais uma vez Emerson mandou bem, salvando com o calcanhar em lance de muito reflexo. A resposta do Paysandu veio aos 30 minutos e com um gol. Marcelo Costa cobrou uma falta para a pequena área. Eduardo Ramos estava no bico da pequena área, tentou cortar e pegou mal na bola, matando o goleiro Fernando Henrique e marcando contra (A arbitragem deu o gol para Marcelo Costa). 

No segundo tempo, o Paysandu passou a jogar um pouco mais recuado e o Remo, ligeiramente melhor, por pouco não empatando numa finalização de Welthon e numa cabeçada de Michel que passou raspando. Aos 37 minutos, veio o gol do empate. Num lançamento de Léo para a área, a bola era toda do goleiro Émerson. Mas ela parou na poça d?água e deu a chance para o atacante Whelton chegar primeiro e ser calçado pelo camisa 1. Pênalti. Como o goleiro já tinha amarelo por cera, levou o segundo amarelo e foi expulso. Eduardo Ramos, que marcara o gol contra, bateu e empatou o clássico, fazendo o seu terceiro gol na competição e levando o jogo para a decisão por pênaltis, num repeteco das semifinais, quando o Papão eliminou o Águia nos penais e o Remo fez o mesmo contra o Independente.

Nas penalidades quem sorriu foi a torcida do Paysandu, que compareceu em um número um pouco maior (o público foi de 18.119 presentes). 

 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos