Tite ignora denúncias da Arena e foca 'no trabalho': cobrança por evolução

O técnico Tite preferiu não se posicionar a respeito da 26ª fase da operação Lava Jato, que denunciou suspeitas de pagamento de propina pela construtora Odebrecht nas obras da Arena Corinthians, estádio inaugurado em maio de 2014 e já utilizado pelo Timão em 60 jogos oficiais até o momento. Comandante da equipe alvinegra em boa parte das partidas realizadas no estádio, o profissional abriu sua entrevista coletiva desta terça-feira dizendo que seu foco é o trabalho no campo e preocupações com a Justiça precisam ser pensadas pelas pessoas responsáveis.

- É fazer nosso trabalho focado ao máximo para dar ao Corinthians o devido valor e respeito que merece. Então, não tenho condição e nem conhecimento para fazer avaliações (sobre a Lava Jato). Para isso, há foros competentes. O que queremos fazer é nosso trabalho dentro de campo. Essa é a competência, a reconstrução de uma equipe que não está pronta. Isso tudo é nossa essência, é assim que temos de contribuir com o Corinthians - disse o treinador de três passagens pelo clube (2005/2006, 2010/2013 e 2015/2016) e exatos 360 jogos.

Nesta quarta-feira, dia seguinte à data em que o nome do Corinthians esteva mais nas páginas de política e polícia dos jornais, a equipe volta a campo pela 11ª rodada do Campeonato Paulista. Com 23 pontos, o Timão tentará encaminhar sua classificação às quartas de final do torneio enfrentando o São Bernardo no estádio Primeiro de Maio, no ABC Paulista. A partida será às 21h, e Tite terá alguns desfalques: Elias, lesionado, Matheus Vidotto e Luciano, na Seleção Brasileira olímpica, e Balbuena, na seleção do Paraguai. Marlone, praticamente recuperado de lesão, ainda é dúvida.

Assim, Tite levará a campo a seguinte formação, composta apenas pelos habituais titulares: Cássio; Fagner, Felipe, Yago e Uendel; Bruno Henrique; Giovanni Augusto, Rodriguinho, Guilherme e Lucca; André. A ideia de dar sequência aos titulares é encontrar um padrão de jogo para o Timão versão 2016.

- Nossa reconstrução está acima do que eu imaginava, e isso é um diagnóstico profissional. Méritos à compreensão dos atletas, que absorveram rapidamente tudo isso e têm dado uma resposta importante. Mas é uma equipe em formação, vai precisar de maturidade. Vai oscilar durante um ou outro jogo, mas não pode oscilar muito. Tem de manter um padrão, e essa é minha cobrança - afirmou Tite, que ainda vê margem de crescimento no time líder do Grupo D do Paulistão e também do Grupo 8 da Libertadores.

- Gosto de trabalhar com o desafiar, o ambicionar. Mostrar isso para o atleta, porque sses desafios te fazem crescer. Não dá para soltar a confiança, o elástico, e depois pegar de novo. Aproveita o momento, cresce, consolida. É bom classificar-se com antecedência, mas sem refrescar, e sim continuar querendo evoluir, ambicionando - planeja o treinador do Corinthians.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos