Bolívia e Colômbia, com muitas alterações, se enfrentam em La Paz

Bolívia e Colômbia se enfrentam nesta quinta-feira, pelas Eliminatórias, no Hernando Siles, em La Paz, às 17h30min (de Brasília) num duelo com cara de decisão e que dá pinta de ser um jogo de xadrez. É decisivo pois os times estão mal na tabela. Com apenas quatro pontos e na sétima posição, a Colômbia é, hoje, a maior decepção do torneio. A Bolívia, em oitavo lugar com três pontos (obtidos em casa no 4 a 2 sobre a lanterna Venezuela) é notoriamente um dos times mais frágeis do continente. E sem favoritos pois os treinadores escalarão equipes muito diferentes daquelas que estavam acostumados.

Na Colômbia, o técnico José Pékerman, mais do que qualquer efeito da altitude, teme o pouco tempo de trabalho que teve para entrosar o time e trabalhar situações de jogo. Afinal, apenas nesta quarta-feira passou a ter o grupo todo nas mãos. Isso se torna ainda mais complicado porque o comandante não terá os seguintes jogadores: Cristian Zapata, suspenso; Espinosa, Meza e Éder Balanta, machucados; e optou por não chamar jogadores que não estejam atuando por seus clubes ou por serem reservas ou por estarem encostados, ou recuperando de lesão, como Guarín, Jackson Martínez, Falcao e Macnelly Torres. Em razão disso, Pekerman convocou várias novidades, como Dayro Moreno (Tijuana/MEX) e Luis Quiñonez (Pumas/MEX) e o zagueiro Murillo (Pachuca/MEX). O time que estará em campo é uma incógnita.

Do lado boliviano, a curiosidade é que o treinador Balpieso deverá escalar um time que não é a sua força máxima, mas um misto de jogadores do The Strongest e Bolívar (que tiveram, somados, 11 convocados), times de La Paz.

- A tendência é essa. Quero uma equipe com jogadores que possam voar em campo, pois estão em acostumados com a altitude, finalizou Balpieso, indicando que o meia Smedberg (atua no futebol sueco) e o botafoguense Lizzio devem ficar no banco. Vale lembrar também que o principal jogador boliviano, o atacante Marcelo Moreno, se nega a defender a seleção por desavenças com o treinador.

Balpieso sabe que a altitude amedronta os rivais. Mas também tem em mente que isso não serve muito para a Colômbia, que se prepara em Bogotá (2.600 metros) e nos seis jogos que fez na capital boliviana em Eliminatórias venceu um, perdeu outro e empatou quatro.

- Precisamos muito desta vitória. É um jogo de vida ou morte. A Colômbia está sofrendo com altos e baixos, mas sabemos que trata-se de um time com muitos astros internacionais, competitivo e que nos preocupa. Não há dúvida que o rival é complicado - disse o treinador Balpieso, ciente de que a Bolívia, caso queira sonhar com a classificação para a Rússia, não pode perder pontos em casa.

O treinador boliviano foi bastante precavido. Como tem nove jogadores pendurados, ele optou por convocar 35 atletas, também pensando no confronto com a Argentina.

- Não sabemos o que pode acontecer contra a Colômbia. E na terça-feira teremos um jogo contra os argentinos na casa deles. Por isso estou trabalhando com um elenco mais completo, disse Balpieso.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos