Contraprova confirma doping de Ana Cláudia Lemos, e velocista é suspensa

A contraprova solicitada por Ana Cláudia Lemos, principal destaque do atletismo brasileiro, confirmou o uso da substância proibida Oxandrolona pela velocista. A informação foi pulgada nesta terça-feira pela Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD) e a Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt).

Recordista sul-americana nos 200m rasos, (22s48), a brasileira já tinha índice tanto na prova quanto nos 100m para disputar os Jogos Olímpicos Rio-2016. Ela era também a grande esperança do país no revezamento 4x100m.

Com a confirmação, Ana Cláudia está suspensa preventivamente e aguarda julgamento pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Atletismo.

O exame que detectou o uso da substância foi realizado no último dia 3 de fevereiro, durante um camping no Rio de Janeiro, fora do período de competições.

O Laboratório Brasileiro de Controle de Dopagem (LBCD) foi responsável pela coleta que confirmou a presença da substância proibida nas amostras "A"  e "B" da urina da atleta.

Confira a nota completa pulgada pela CBAt

A Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD) e a Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) informam que o Laboratório Brasileiro de Controle de Dopagem (LBCD), credenciado pela WADA, com sede no Rio de Janeiro (RJ), identificou na amostra de urina "A" da atleta ANA CLAUDIA LEMOS SILVA (SP), coletada no dia 03 de fevereiro de 2016, na cidade do Rio de Janeiro (RJ) durante controle fora de competição realizado pela ABCD, a presença da substância proibida "Oxandrolona (metabólitos de Oxandrolona)".

Em conformidade com o disposto nas normas da WADA/IAAF, a atleta foi comunicada pela ABCD em 08 de março de 2016 do resultado analítico adverso na amostra "A" de sua urina, coletada conforme acima. A atleta, em 09 de março de 2016, solicitou a abertura da amostra "B" de sua urina. Em 14 de março de 2016 a atleta colocou-se, com anuência da ABCD, em suspensão voluntária. Ocorreu em 24 de março de 2016, no LBCD, a abertura da amostra "B", com resultado que confirma a presença de substância proibida detectada na amostra "A" da urina da atleta. Considerando-se este resultado configurou-se o resultado positivo da atleta em controle de dopagem.

Assim, no dia 28 de março de 2016 a ABCD comunicou a CBAt de todos os fatos, para que a Confederação desse início aos procedimentos disciplinares, tendo a atleta sido suspensa provisoriamente nesta data de todas as atividades do Atletismo, pela Confederação, sendo o seu processo encaminhado ao Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Atletismo para as providências cabíveis, uma vez que o Tribunal Único para julgamento de processos de dopagem, previsto na Medida Provisória número 718 e no Decreto número 8.692, ambos de 16 de março de 2016, encontra-se em fase de instalação, dentro do prazo legalmente previsto.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos