Palmeiras reclama de tratamento desigual da FPF antes dos pênaltis

O Palmeiras deixou a Vila Belmiro reclamando da postura dos profissionais da Federação Paulista antes da disputa de pênaltis contra o Santos, que acabou classificando o time alvinegro à final do Campeonato Paulista. Membros da comissão técnica do clube, incluindo o preparador de goleiros Oscar Rodríguez, foram impedidos de ir ao gramado pelo delegado da partida.

- Os nossos goleiros sempre têm o apoio do Oscar. O Oscar queria subir para passar o apoio e foi barrado, com brigas, enquanto o do adversário está dentro do campo. E foram pessoas da Federação que fizeram isso. O Santos não tem nada com isso. É um desabafo que eu trago aqui, não foi isso que acarretou na nossa derrota, mas a Federação tem de agir de uma maneira só, não de duas maneiras diferentes - disse Cuca.

O técnico também reclamou por ter sido expulso após o segundo gol do Palmeiras, marcado por Rafael Marques aos 43 minutos da etapa final, levando para os pênaltis um jogo que parecia perdido. Ele diz que quem o expulsou não compreende a emoção do futebol.

- Eu lamento não poder ter ficado dentro do campo para trabalhar porque comemorei um gol. Isso é típico de uma pessoa que não tem emoção, que foi quem me expulsou, o quarto árbitro ou o delegado. Porque se você entra três metros para dentro do campo, comemora e é expulso, tinha que expulsar o banco do Santos inteiro - completou Cuca.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos