R. Caio sobre presença de namorada de Aidar em venda: “Isso explodiria”

  • Eduardo Anizelli/Folhapress

Em 12 de junho do ano passado, o São Paulo anunciou a venda de Rodrigo Caio para o Valencia (ESP), em transação que renderia quase R$ 45 milhões aos cofres do clube. Dias depois, o zagueiro viajou para a Espanha para selar o contrato, mas se deparou com surpresas desagradáveis, que culminaram no fracasso do negócio com os espanhóis.

A oferta apresenta era totalmente diferente do prometido por seus empresários da época, Deco e Luizão, e as negociações ganharam uma nova participante: Cinira Maturana, namorada do então presidente Carlos Miguel Aidar. Passados 11 meses da venda frustrada, o defensor falou, ao LANCE!, pela primeira vez sobre o papel de Cinira nas tratativas.

"Fiquei muito surpreso. Imaginava que algum dirigente iria. Que fosse presidente, vice-presidente, diretor... Era uma negociação muito alta, que poderia ajudar muito ao clube e não aconteceu. Faltou daquela diretoria alguém viajar comigo. Acredito que seria o Gustavo (Oliveira), mas ele tinha acabado de sair do clube (pediu demissão e voltou em outubro). Tive uma surpresa muito grande quando encontrei a Cinira lá. Não digo que atrapalhou. O problema foi que as coisas que me prometeram aqui eram todas diferentes", explicou o zagueiro, que prosseguiu:

"Poderiam voltar atrás e me pagar uma fortuna que eu não ficaria. O mais importante é a confiança que tenho nas pessoas. Quando isso não existe, quando a pessoa diz uma coisa e não é verdade, para mim acabou. Acaba prestígio, acaba dinheiro. Era o meu futuro que estava sendo decidido. Fiquei muito triste, mas de consciência tranquila em voltar e recomeçar o que tinha parado. Recomecei e vejo que minha decisão foi mais do que certa", sentenciou, durante a entrevista que será publicada na íntegra neste sábado.

Tempos depois, ficou comprovado que Cinira havia viajado financiada pelo São Paulo, que custeou passagens aéreas e hospedagem. O advogado Régis Villas-Bôas, que cuida da carreira do zagueiro, também viajou à Espanha e ajudou o cliente a reverter a situação adversa quando tentou-se forçar um empréstimo para o Atlético de Madrid. Para Rodrigo, era questão de tempo que a imprudência de Aidar ao abrir tanto espaço para a namorada custasse caro, como aconteceu com a renúncia efetivada em 12 de outubro de 2015.

"Foi algo que todo mundo sabia, inclusive o Aidar, que isso explodiria. Era impossível esconder a participação dela lá. Tentei ficar na minha, calado, porque não interferiu na minha decisão. Não gostei da forma como foi conduzida a negociação e voltei. Não mudou nada para mim, tomaria aquela decisão com qualquer pessoa. O que pesou foi o apoio da minha família. Eu, particularmente, esqueci, tirei da minha cabeça. Foi algo que me deixou muito triste. Faz parte do passado", destacou o beque, que teve até condição do joelho direito, operado há sete anos, colocada em dúvida na época.

 

 

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos