Fifa revela esquema para enriquecer Blatter, Valcke e ex-diretor financeiro

Os procuradores que estão conduzindo a investigação interna sobre corrupção na Fifa divulgaram nesta sexta-feira informações contidas em contratos que mostram um esquema para beneficiar três ex-dirigentes do alto escalão da entidade: o presidente Joseph Blatter, o secretário-geral Jérôme Valcke e o diretor financeiro Markus Kattner, este último substituiu Valcke após a demissão como secretário-geral interino.

A evidência revela um esforço coordenado para enriquecimento próprio através de aumentos salariais, bônus da Copa do Mundo e outros incentivos totalizando mais de 79 milhões de francos suíços (R$ 286 milhões) nos últimos cinco anos. Alguns aditivos nos contratos previam pagamento até dezembro de 2019.

Segundo a Fifa, os achados demandam investigação mais profunda. A entidade compartilhou a informação com a Procuradoria-Geral da Suíça, que estenderá os detalhes aos Departamento de Justiça dos Estados Unidos. O tema também será levado ao Comitê de Ética da Fifa.

Foram identificadas várias e seguidas emendas aos contratos de trabalho de Blatter, Valcke e Kattner, que foi o último a ser demitido, já na gestão Gianni Infantino. Em geral, os contratos eram assinados por Blatter, Valcke e pelo já falecido vice-presidente da Fifa, o argentino Julio Grondona.

Apenas em relação aos bônus oriundos da Copa do Mundo, Blatter, Valcke e Kattner foram premiados com um valor de 26 milhões de francos suíços (R$ 50 milhões) referentes à edição de 2014, no Brasil. Destes, 10 milhões de francos suíços foram para Valcke, 12 milhões para Blatter e 4 milhões para Kattner.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos