Bélgica segue passos da Espanha e também goleia por 3 a 0

Eurocopa estava carente de goleadas. Agora, não está mais. Após a Espanha, atual campeã, golear a Turquia por 3 a 0 na última sexta-feira, a Bélgica seguiu os seus passos e também goleou por 3 a 0, todos no segundo tempo.

Destaques para DeBruyne, Lukaku, que marcou duas vezes, em lances bem parecidos, e Witsel, eleito o o melhor da partida. Hazard, embora tenha participado do lance do último gol, ficou novamente abaixo das expectativas.

A Bélgica agora está em segundo do grupo E, com três pontos. Na última rodada, enfrenta a Suécia, em Nice. A Irlanda está em último, com um ponto. No último encontro da primeira fase, pega a Itália, em Lille. Os dois jogos serão na quarta-feira, às 16h(Brasília)

O primeiro tempo foi de domínio belga, que criava boas jogadas o tempo todo. A maioria vinha dos pés do meia De Bruyne. E não demorou muito para o camisa 17 do Manchester City mostrar o seu potencial. Logo aos quatro minutos, ele rolou para Carrassco chutar cruzado e o goleiro Randolph defender.

Até os 12, a Irlanda conseguiu anular com mais qualidade as inciativas de DeBruyne, quando ele cobrou um escanteio na primeira trave e o zagueiro Alderweireld cabeceou para fora.

Quatro minutos depois, Hazard sofreu uma falta de Coleman. Na cobrança, De Bruyne lançou na área, ninguém alcançou e a bola foi morrer perto da trave, mas o goleiro chegaria nela caso fosse em direção ao gol.

A Irlanda respondeu com uma cabeçada, também em bola parada. Em cobrança de escanteio, Ward cabeceou na primeira trave e Courtois defendeu socando a bola.

Aos 24 minutos, a Bélgica balançou as redes com Carrasco, aquele mesmo que marcou o gol do Atlético de Madrid na final da última Champions League. O gol, porém,foi bem anulado pela arbitragem. De Bruyne fez um belo lançamento que deixou Carrasco cara a cara com o goleiro. Ele finalizou muito bem, mas o goleiro também fez uma bela defesa. A bola ainda bateu no travessão e sobrou para o meia marcar no rebote, mas estava impedido desde a origem da jogada.

Com 28, Lukaku escorou da entrada da área para De Bruyne, que limpou o marcador e chutou para o gol, mas no centro e rasteiro, facilitando a defesa de Randolph. Logo na sequência, Hazard iniciou uma jogada que começou na esquerda e terminou pela direita. Ele tocou para De Bruyne, que abriu para Meunier chutar da entrada da área. Chute feio para um profissional.

Aos 35, De Bruyne bate escanteio e Alderweireld tenta uma bicicleta, mas a bola sai fraca pela linha de fundo. A melhor oportunidade belga na primeira metade veio aos 41, com cabeçada Alderweireld tirada pela defesa em cima da linha do gol. Quase!

No segundo tempo, as equipes voltaram sem nenhuma alteração, o que colaborou para que as equipes não mudassem o panorama do jogo no segundo tempo: Bélgica na pressão.

Logo aos dois, finalmente a Bélgica abriu o placar, com a joga saindo dos pés do melhor em campo, DeBruyne. Em um contra-ataque cedido pela Irlanda, o meia arranca do campo de defesa, avança com a bola até a entrada da área e toca para Lukaku chutar com categoria no canto esquerdo do goleiro e abrir o marcador. O gol fez a Bélgica subir da lanterna para a segunda colocação do grupo.

Não tinha jeito. A Irlanda tinha que sair para a partida, ousar mais, mas ao mesmo tempo ceder contra-ataques para os belgas, que fariam mais gols ao longo da partida.

E a Irlanda saiu para o jogo: aos seis, Whelan chuta de fora da área, a bola desviou na defesa e saiu pela linha de fundo. Dois minutos depois, nova oportunidade para a Irlanda: Hendrick tocou em profundidade para Coleman, que chegou à linha de fundo, mas cruzou em cima da defesa.

Mas a superioridade técnica da Bélgica falou mais alto: Aos 15, Witsel iniciou uma troca de passes na entrada de área e correu para a área. Carrasco tocou para Meunier, que cruzou na cabeça do Witsel. Ele subiu sozinho, perto da marca do pênalti e ampliou a vantagem belga : 2 a 0. Junto com DeBruyne, o melhor em campo.

O gol foi uma verdadeira ducha de água fria para os irlandeses, mas não desanimou o treinador que colocou mais um atacante na partida: McClean, para a saída de McCarthy. A Bélgica também mexeu. Saiu Carrasco para a entrada de Mertens, que logo na em seguida chutou da meia lua, mas foi bloqueado por O'Shea.

Aos 23, DeBruyne recebeu livre na entrada da área, mas chutou por cima e bem longe do gol. Um minuto depois, o terceiro gol. Novamente, Lukaku finalizando no canto esquerdo uma jogada iniciada em contra-ataque. Meunier roubou uma bola na defesa e serviu Hazard, que avançou e serviu o atacante belga. É o 17° gol dele vestindo a camisa belga, a segunda nesta competição, o que o coloca na artilharia junto com mais quatro jogadores.

A irlanda mexeu duas vezes: saíram Hoolahan e Shane Long, para as entradas de McGeady entra McGeady e Robbie Kane. O que parecia uma tentativa de reação, não aconteceu. Pelo contrário, a partida esfriou. A Bélgica parecia satisfeita com o resultado e a Irlanda ter desistido de reagir.

Aos 36, porém, Brady tentou uma finalização, mas que foi interceptada por um companheiro de ataque, quando ela bateu em Hendrick. No minuto seguinte, Lukaku, do Everton, saiu para entrar Benteke, do Liverpool, e maior rival do Everton. Curioso.

FICHA TÉCNICA

BÉLGICA 3 x 0 IRLANDA

Local: Estádio de Bordeaux, em Bordeaux (França)

Data e hora: 18 de junho de 2016, às 10h (horário de Brasíia)

Árbitro: Cüneyt Çakir (TUR)

Cartão Amarelo: Vermaelen(BEL); Hendrick(IRL)

Cartão Vermelho:

Gols: Lukaku, aos 2/2°T(1-0); Witsel, 15/2°(2-0); Lukaku, 24/2°(3-0)

BÉLGICA: Courtois; Ciman, Alderweireld, Vermaelen e Vertonghen; Witsel, Fellaini, Nainggolan, De Bruyne e Hazard; Lukaku. Técnico: Marc Wilmots

IRLANDA: Randolph; Coleman, Clark, O'Shea e Brady; McCarthy, Whelan, Hoolahan, Robbie Keane e Hendrick; Long. Técnico: Martin O'Neill

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos