'Tendência é zerar episódios', diz APO sobre criminalidade no Rio com Jogos

O Rio de Janeiro começou na última terça-feira a reforçar a sua segurança para receber os Jogos Olímpicos, que começam em 30 dias. Em meio a casos de criminalidade com atletas e profissionais envolvidos no megaevento, a cidade ganhou o auxílio da Força Nacional para a vigilância de todas as 50 instalações.

O suporte inclui policiais militares, civis, bombeiros e peritos dos 26 estados da federação, além do Distrito Federal, que terão a responsabilidade de realizar tanto o monitoramento interno das arenas quanto externo, no acesso do público aos locais de competições.

- A tendência agora é zerar os episódios de criminalidade. O sistema da Força Nacional prevê um trabalho muito rigoroso, em relação à circulação de pessoas e de materiais dentro das instalações. Nosso entendimento é que tais crimes não deverão ocorrer no período dos Jogos - disse o presidente da Autoridade Pública Olímpica (APO), Marcelo Pedroso, ao LANCE!.

Para marcar o início da operação, coordenada pelo governo federal, o Ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, participou nesta terça de uma cerimônia no Parque Olímpico da Barra da Tijuca. Ele não revelou o efetivo que será mobilizado, mas garantiu que será suficiente. A previsão inicial era de 9.600 agentes, mas o número ficará na casa dos 6 mil.

- Teremos todo o efetivo necessário para as funções que nos foram atribuídas - afirmou Moraes, que terá ajuda do governo de São Paulo com o efetivo.

Além da Força Nacional, a segurança dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio contará com cerca de 22 mil homens das Forças Armadas. Eles atuarão, sobretudo, no Aeroporto Internacional Tom Jobim e em vias expressas da capital.

Na última sexta-feira, as emissoras alemãs ARD e GDF tiveram equipamentos de seu estúdio de transmissão dos Jogos roubados na Avenida Brasil, após uma abordagem de homens armados, mas objetos foram encontrados depois.

Dois dias antes, o Centro Nacional de Tiro Esportivo, no Complexo de Deodoro, foi palco de uma tentativa de furto de nove notebooks por parte de vigilantes de uma empresa privada, contratada para realizar a segurança do local. A Polícia Militar prendeu quatro pessoas em flagrante e recuperou o material.

Além disso, a velejadora paralímpica Liesl Tesch (AUS) foi assaltada na Zona Sul do Rio em junho.

Ministro não vê 'probabilidade' de terrorismo

O ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, disse ontem em sua visita ao Rio de Janeiro que não vê probabilidade de ações terroristas durante os Jogos.

- Não temos probabilidade hoje de algum evento terrorista na Olimpíada, seja no Rio de Janeiro ou no restante do Brasil. Mas há a possibilidade, como existe em todo o mundo. Então, estamos trabalhando com os mecanismos modernos. Atuamos em informação e inteligência. Há integração entre todas as áreas - disse Morais, durante em cerimônia da Força Nacional.

Com a palavra

Rio entra em 'modo Jogos' na segurança

Marcelo Pedroso

Presidente da APO, ao LANCE!

A operação da Força Nacional en todas as instalações dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, principalmente o Parque Olímpico e a Vila dos Atletas, envolve um esquema muito rígido, com toda uma parte de varredura dos locais de competições. Elas terão de se manter desta maneira até a realização dos eventos. Estamos entrando em modo Jogos. Até então, tínhamos apenas um parque com uma grande quantidade de atores envolvidos nas obras. Situações como o furto de notebooks em Deodoro são um ponto fora da curva.

Em relação ao terrorismo, o planejamento de segurança sempre trabalhou com esta perspectiva, independentemente de o país não ter registros de atentados. Temos a perspectiva de que os Jogos geram grande visibilidade para qualquer ação desta natureza, mas estamos tranquilos, pois há acompanhamento.

Receba notícias pelo Facebook Messenger

Quer receber notícias de esporte de graça pelo Facebook Messenger?
Clique aqui e siga as instruções.

UOL Cursos Online

Todos os cursos